in

Orgânicos: um mercado de contínua expansão no Brasil e que vale a pena o investimento

Mesmo em meio à atual pandemia de Covid-19, consumo dos produtos orgânicos não para de crescer entre os brasileiros e especialistas indicam que esse ramo ‘Sustenfood’ ainda tem amplos espaços de avanço

Consumo de produtos orgânicos cresce consistentemente e já movimento R$1 bilhão ao ano no Brasil - Foto: Getty Images

 

Você já ouviu falar em orgânicos? Possivelmente, sim, não é mesmo? Mas, tem conhecimento de que, mesmo em meio à atual crise social e econômica desencadeada pela pandemia de Covid-19, o mercado de produtos não parou de crescer no Brasil? Não? Então, hoje, nós da Rede Food Service vamos te apresentar alguns dados que merecem destaque e demostram o porquê vale a pena o investimento no mercado de orgânicos hoje em dia.

 

De acordo com os números divulgados recentemente pela Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), uma entidade sem fins lucrativos que trabalha ativamente para divulgar os conceitos e as práticas orgânicas há dezesseis anos, o consumo de orgânicos no Brasil deu um verdadeiro salto durante o ano passado em comparação com 2019. No entanto, Cobi Cruz, Diretor da Organis, revela que esse crescimento, em si, não é uma grande novidade, já que os orgânicos vêm apresentando números bastante positivos desde 2003. “O consumo de produtos orgânicos cresce e cresce de forma consistente no Brasil. Isto é, sem perder os espaços já conquistados. Para se ter uma ideia, de 2003 a 2017, os orgânicos quadruplicaram suas vendas. Em 2019, o crescimento foi de 15% e esse número dobrou em 2020. E, no primeiro trimestre deste ano, o consumo cresceu relativamente e estabilizou no segundo. Isso por causa do grande índice de aumento acumulado de 2020 e também, devido ao cenário econômico incerto, que impacta na renda e na confiança do consumidor. Mas, temos espaço no segundo semestre para retomar, com alguma folga, a nossa curva histórica. Ou seja, alcançar um crescimento acima dos 10%. Porém, é sempre bom destacar que, desde que começou a computar seus resultados, o setor de orgânicos nunca sofreu uma queda no consumo. Hoje, por exemplo, movimentamos, em média, perto de R$ 1 bilhão ao ano apenas no mercado brasileiro e estamos muito longe da saturação e com amplos espaços para crescer”, afirma.

 

Cobi Cruz, Diretor da Organis – Foto: Divulgação

 

Frente a esse positivo cenário, Cruz destaca que “o Brasil tem um potencial literalmente imenso em relação aos produtos orgânicos. Nossos diferentes biomas, além de patrimônios naturais inestimáveis, com climas e tipos de terrenos que permitem uma produção variadíssima em todas as épocas do ano. Entretanto, as formas antiquadas de produção e seu descompromisso com a sustentabilidade estão prejudicando seriamente a nossa natureza. Fazendo as escolhas certas, investindo no orgânico, o país pode se tornar uma potência global desse mercado, que cresce e vai crescer ainda mais nos países com consumidores mais exigentes e de alto poder aquisitivo. O Brasil precisa superar a era das commodities e acelerar a exportação de produtos com maior valor agregado, entre eles, destaque para a cada vez mais poderosa marca coletiva do movimento orgânico brasileiro”, pontua

 

O que motiva o crescimento contínuo do mercado de orgânicos no Brasil?

 

Sobre as razões que impulsionam o mercado de orgânicos no Brasil de maneira tão consistente, o Diretor da Organis explica que “temos, na verdade, um conjunto de fatores entrelaçados. Em primeiro lugar, a preocupação com a saúde, que leva as pessoas a buscarem produtos com garantia de pureza, sem utilização de agrotóxicos, hormônios ou manipulações genéticas. Depois, a preocupação do consumidor com a preservação do meio ambiente. Cresce, cada vez mais, a consciência de que é preciso apoiar métodos de produção que preservem o solo, o ar, as fontes de água e a sobrevivência dos animais. Além disso, é preciso destacar a profissionalização do mercado, do setor e dos próprios produtores, que estão colocando os orgânicos cada vez mais ao alcance do consumidor, ocupando novos espaços, inclusive, no varejo de grande porte e vendas online”, elenca.

 

Marisai Vidoz, Diretora da Fhom Alimentos – Divulgação

 

Marisa Castaldelli Vidoz, Diretora da Fhom Alimentos, empresa responsável pela linha Bem Orgânico e a pioneira em comercializar batatas chips e palha orgânicas no Brasil, por sua vez, avalia que a principal motivação do aquecimento do consumo dos produtos orgânicos no país é “a busca por uma alimentação mais saudável e equilibrada. Nesse último ano, passamos muito mais tempo comendo em casa e nos acostumamos a comer produtos mais naturais e menos industrializados. Por isso, o consumo está crescendo muito, principalmente, entre pessoas de 25 a 40 anos e também com a pandemia de Covid-19 pela busca de produtos mais saudáveis”, diz.

 

Allan Gate, Diretor das Marcas Próprias do Carrefour Brasil – Foto: Divulgação

 

Allan Gate, Diretor das Marcas Próprias do Carrefour Brasil, que, no mês de junho, lançou uma linha de orgânicos de marca própria com o objetivo de democratizar o preço de orgânicos no país, aponta que “para nós, enquanto uma rede varejista, o grande desafio relacionado aos produtos orgânicos é fazer com que esses itens sejam acessíveis para os consumidores, uma vez que seu custo de produção é mais alto que o de produtos convencionais. Se olharmos para o Brasil de hoje, essa situação está inserida ainda em um contexto social maior: por causa da pandemia de Covid-19, a taxa de desemprego no país chegou ao duplo dígito e a renda de muitas famílias ficou ainda mais comprometida, o que faz com que a decisão de compra, em sua grande maioria, recaia em produtos mais baratos. Uma pesquisa da NilsenIQ, por exemplo, expõe que, em 2021, os consumidores continuarão a buscar alternativas mais baratas para as opções de produtos que, normalmente, comprariam, optando por ofertas de maior valor e produtos de marca própria, pelo menos para seus produtos básicos do dia a dia. A longo prazo, porém, o horizonte é extremamente promissor para os produtos orgânicos, com altos índices de crescimento e participação para essa categoria. É o que sempre falamos: ‘produto orgânico não é moda, é tendência’. Sobre isso e trazendo a pandemia de Covid-19 novamente para essa discussão, é importante destacar que um grande número de pessoas que teve a oportunidade de trabalhar de casa nesse período precisou se reinventar em termos de alimentação. Com isso, ficou mais evidente para elas a importância de se dar atenção para as refeições mais saudáveis e balanceadas no dia a dia. A mesma pesquisa da NilsenIQ aponta que as marcas e os varejistas têm a oportunidade de continuar atendendo às necessidades desses consumidores, cujas receitas permanecem inalteradas pela pandemia e que podem até ter mais renda disponível em 2021, após adiar os custos de viagens, refeições e entretenimento que previam em 2020. Produtos, mesmo que com preços mais elevados, que apresentem métodos de produção focados na sustentabilidade, tem ótimas expectativas nesse sentido. Além disso, com o advento da digitalização e o aumento das informações para o consumidor brasileiro, os produtos que possuem melhores valores nutricionais tendem a performar fora da curva. Dentre esses itens, um espaço especial é ocupado pela categoria de orgânicos que tem como seus pilares: o não uso de agrotóxicos, sem transgênicos e a produção sustentável, respeitando o meio ambiente com uma manutenção menos ofensiva para o solo”, detalha.

 

Quais são as vantagens dos produtos orgânicos?

 

O crescimento expressivo do mercado de orgânicos no Brasil também pode ser explicado pelas vantagens que ele apresenta tanto para o produtor/empresário, quanto para o consumidor e o meio ambiente. “A vantagem mais visível é que os produtos orgânicos, além de isentos de contaminações por agrotóxicos e outros elementos nocivos, vão além, mantendo vivas as características naturais dos alimentos em quesitos como sabor, cor, textura e equilíbrio nutricional. Outra razão para se preferir o orgânico é ter a certeza de que ele foi produzido de forma sustentável, não apenas em relação ao meio ambiente, mas também nos aspectos social e econômico. Onde os orgânicos prosperam, as riquezas são desconcentradas, a renda do trabalhador aumenta, o êxodo rural diminui e os negócios locais se fortalecem. Assim como, ao consumir orgânicos, você estará financiando uma atividade que valoriza a vida em seus múltiplos aspectos e não obtém seus lucros da destruição, da exploração, dos exageros, da inconsciência”, esclarece Cruz, da Organis.

 

Verduras orgânicas em loja da rede Carrefour – Foto: Divulgação

 

Vidoz, Diretora da Fhom Alimentos, considera que “as vantagens de consumir os orgânicos vem de que os mesmos são produzidos sem agrotóxicos que fazem mal à saúde. Fora todo benefício ao meio ambiente. Outro fato é que há uma maior valorização de uma economia mais rentável ao pequeno produtor”, reforça.

 

Já Gate, do Carrefour Brasil, complementa que as “as vantagens dos produtos orgânicos estão relacionadas à uma produção mais sustentável e a uma maior oferta de alimentos com alto valor nutricional para a mesa dos consumidores”, resume.

 

Há desvantagens?

 

Sobre as desvantagens, Cruz, da Organis, garante que “não há, já que a produção orgânica beneficia tanto o indivíduo, como a coletividade”, afirma.

 

Vidoz, da Fhom Alimentos, pondera que as desvantagens ainda são os preços mais elevados, pois os insumos costumam ser mais caros que os convencionais. Além disso, com químicos, a rentabilidade da produção é muito maior do que uma produção sem os aditivos agrícolas utilizados normalmente”, relata.

 

 

Gate, do Carrefour Brasil, concorda com Vidoz e frisa que “a principal barreira de entrada na categoria, ainda hoje, está no preço. Por isso, nosso papel, enquanto a maior rede varejista alimentar do Brasil, é focado em reduzir custos e promover ganho de escala para o produtor. Para isso, dedicamos espaço, investimos em preço e sempre atualizamos nosso sortimento para o melhor atendimento ao cliente. Desta maneira, conseguimos minimizar a barreira de entrada para a categoria de orgânicos e aceleramos seu crescimento. O lançamento da linha Carrefour Bio está relacionado justamente a esses pontos e à demanda dos consumidores por uma boa variedade de produtos com preços mais baixos. Com o lançamento da nova linha de orgânicos de marca própria, passamos a oferecer mais de 100 opções de produtos saudáveis, sustentáveis e acessíveis, produzidos com responsabilidade socioambiental por pequenos e médios fornecedores. Assim como, os demais produtos da marca Carrefour, a nova linha oferece preços até 30% mais baratos que produtos similares do mercado”, ressalta.

 

Futuro dos orgânicos e planos relacionados

 

Em relação ao futuro do mercado de orgânicos, Cruz, da Organis, ressalta que a Organis trabalha na promoção do movimento orgânico e isso engloba as mais diversas atividades. A ideia da nossa associação nasceu quando nos demos conta que orgânico, dentre seus significados diversos, é uma marca muito poderosa que envolve o bem-estar coletivo, mas, até então, administrada de forma quase amadorística. Então, um grupo de empreendedores orgânicos certificados, da agricultura, indústria, comércio, prestação de serviços e outros segmentos, decidiu unir forças para colocar todas as ferramentas da comunicação a serviço desse grande patrimônio de imagem. O objetivo da Organis é divulgar os valores e rentabilizar cada vez mais o setor orgânico, viabilizando sua expansão a um número cada vez mais expressivo de consumidores do Brasil e do mundo. Nesses dezesseis anos, a Organis e o Programa Organic Brasil vêm desenvolvendo um trabalho consistente, que envolve, de diversas maneiras, todas as variáveis do setor. Da produção à logística, do agricultor à indústria, do pequeno feirante às redes de supermercados, da grande imprensa aos blogs simpatizantes, da presença em feiras a concorridos eventos virtuais, a Organis vem ampliando seus fortes vínculos com toda a cadeia envolvida nesse mercado.  A associação não vende produtos, não tem fins lucrativos, não é intermediária de negócios, mas se envolve, na medida do possível, em todas as ações que gerem visibilidade e valorização para o movimento orgânico. Além de dinamizar ainda mais nosso trabalho de promoção dos orgânicos nos canais existentes, estamos, atualmente, investindo forte na criação e expansão de plataformas tecnológicas exclusivas do movimento orgânico. E se já somos reconhecidos como referência de qualidade e confiabilidade pelo consumidor. Assim, vamos avançar em escala e em produtividade, permitindo equacionar a questão dos custos”, divide.

 

Produtos Orgânicos tiveram presença importante na última edição da feira do setor supermercadista – Foto: Divulgação

 

Vidoz, da Fhom Alimentos, partilha que “a venda de orgânicos vem crescendo gradativamente ano a ano. Por isso, estamos com parcerias importantes que vão fazer as vendas aumentarem e também crescer a divulgação dos produtos orgânicos. A pesquisa da Organis, no ano passado, por exemplo, coloca a Bem Orgânico entre as cinco empresas mais lembradas no Brasil. Hoje em dia, crescemos em média 20% ao ano e já planejamos o desenvolvimento de novos produtos orgânicos, pois estão sendo muito bem aceitos”, anuncia.

 

Por fim, Gate, do Carrefour Brasil, enfatiza que “enxergamos um caminho incrível para os fabricantes de produtos orgânicos e varejistas desenvolverem iniciativas na categoria de orgânicos. No Brasil, ainda existe muita coisa a ser feita, ao mesmo tempo em que há diversas oportunidades. Com nosso empenho em ser o líder da transição alimentar do Brasil, sem dúvida, teremos um futuro muito mais saudável, com alimentos frescos, sustentáveis e acessíveis a todos os brasileiros. A ideia de trazer a marca Carrefour Bio para o Brasil começou a ser pensada no final de 2019. O lançamento oficial da nova linha, agora em junho, representa a conclusão bem-sucedida desse trabalho que realizamos nos últimos meses. A nova linha foi pensada com base nos princípios do Act for Food e tem um papel primordial no desenvolvimento da categoria de orgânicos no Brasil, além de atender a estratégia de globalização das marcas próprias, trazendo a Carrefour Bio para o nosso portfólio no país. Com isso, também atendemos a política de democratização dos produtos orgânicos, podendo dar acesso a novos itens, com preços acessíveis aos nossos clientes. Todos os produtos da linha Carrefour Bio são orgânicos, saudáveis, sustentáveis e acessíveis, além de serem produzidos com responsabilidade por pequenos e médios fornecedores. Os itens possuem ainda certificação orgânica brasileira, com o Selo SisOrg (Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica). Assim como os demais produtos com a marca Carrefour, os itens são desenvolvidos e passam por um rigoroso processo de controle de qualidade antes de chegar às gôndolas e prateleiras. Nossos fornecedores parceiros são auditados com protocolos técnicos e com base em regras de responsabilidade social, além de serem homologados pela norma brasileira de certificação orgânica. Acreditamos que o Carrefour Bio será um vetor de crescimento na categoria de orgânicos no Brasil, assim como já acontece nas unidades da rede da França. Com o lançamento aqui, queremos promover uma ampla cadeia de suprimentos com fabricantes para promover aumento de sortimento e acessibilidade de custos. Na França, a marca é uma realidade. Lá, inclusive, há unidades nas quais são comercializadas apenas produtos orgânicos. Aqui no Brasil, estamos começando a construir seu mercado. Mas, os resultados já são muito animadores: antes do Carrefour Bio, as marcas próprias representavam apenas 4% das vendas de produtos orgânicos da rede e, nos últimos meses, esse percentual já cresceu para 20%. Isso está muito relacionado ao fato de a linha oferecer aos nossos clientes no Brasil produtos orgânicos que vão além dos itens básicos. Dentre as 42 opções de produtos de mercearia, encontramos azeite, água e óleo de coco, açúcar, mel, massa de lasanha, mostarda, ketchup, açaí, molho de tomate, palmito, geleia, chás e cafés, inclusive de cápsula. No setor de perecíveis, a linha traz mais de 60 opções de frutas, legumes e verduras”, divulga.

 

Na Rede Food Service é assim. Sempre lhe apresentamos dados, exemplos e práticas relacionados às premissas de sustentabilidade, que, a cada dia, precisa ser algo mais presente nas nossas vidas. Então, continue nos acompanhando!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

iFood Gourmet passa a contar com a curadoria da Veja Comer & Beber

Novas refeições plant-based são incluídas no cardápio do Pão de Açúcar e Cheftime em parceria com The Vegetarian Butcher