in

Goomer: o caminho para consolidar a transformação digital dos negócios food service

Plataforma de omnichannel voltada para bares e restaurantes já é utilizada em mais de 15 mil negócios alimentícios espalhados pelo Brasil

Foto: Getty Images

 

De acordo com a segunda edição do Índice Cesar de Transformação Digital (ICTd), estudo que ajuda a mapear o nível de maturidade digital das empresas brasileiras publicado na edição 2020 do Cesar Reports, 23,7% dos respondentes afirmaram que, desde o começo da atual pandemia de Covid-19, a transformação digital se tornou prioridade máxima no planejamento estratégico de suas empresas, o que representa um salto de 7,3 p.p. em relação a 2019. Assim como, também foi constatada uma queda em relação ao número de respondentes que ainda não veem o tema como uma prioridade, caindo de 16,9%, em 2019, para 12,32%, em 2020.

 

Nesse contexto, nós da Rede Food Service temos uma pergunta para você operador do ramo de alimentação fora do lar: a transformação digital já faz parte da gestão do seu mercado e negócio? Não? Então, hoje, queremos te apresentar a Goomer, uma plataforma de omnichannel para bares e restaurantes já utilizada em mais de 15 mil empreendimentos food service espalhados pelo Brasil a fora.

 

O que é a Gooomer?

 

“A Goomer é uma plataforma de omnichannel para bares e restaurantes, sendo  mais conhecida pelos seus totens de autoatendimento, cardápios em tablets e GoomerGo, uma plataforma de delivery com versões totalmente gratuitas. É uma startup de Sorocaba, interior de São Paulo, que tem a missão de apoiar bares e restaurantes em sua transformação digital, oferecendo uma experiência única para os clientes realizarem seus pedidos tanto de forma online, como no próprio estabelecimento”, apresenta Felipe Maia Lo Sardo, de 30 anos, Engenheiro, CEO e fundador da empresa.

 

Felipe Maia Lo Sardo, CEO e fundador da Goomer – Foto: Divulgação

 

Conforme Felipe, “a Goomer foi criada em 2014 por estudantes de Engenharia de Controle e Automação, que viram todos os grandes setores e indústrias utilizando tecnologia para serem mais eficientes e lucrativos, mas o setor de hospitalidade ainda não. Com isso, a Goomer surgiu para ser o braço direito de tecnologia do restaurante, principalmente, quando falamos de vendas e atendimento”, conta.

 

Público e propósito

 

Para o CEO e fundador da startup, a Goomer, hoje, “consegue apoiar todos os tipos de operação de bares e restaurantes com suas soluções no Brasil inteiro. Desde pequenos empreendedores, apoiando-os a retirar pedidos online por meio da plataforma de delivery, até grandes redes, com as soluções mais completas de autoatendimento. A Goomer existe para ser parte da evolução dos restaurantes e encontrar a perfeita harmonia entre a tecnologia e o ser humano. Temos que introduzir a tecnologia no nosso dia a dia para potencializar o trabalho humano e não para substituí-lo”, afirma.

 

Soluções e diferenciais

 

Atualmente, a Goomer trabalha com diferentes soluções voltadas especificamente ao mercado food service, sendo:

  • GoomerGo: uma plataforma de delivery sem taxas ou comissões com integração com o WhatsApp que possui as versões gratuita e paga (versão paga se chama GoomerGo Essencial e conta com diversas funcionalidades premium, como pagamento online e gestor de pedidos);

  • Goomer na Loja: um sistema que permite ao cliente captar o QR Code e acessar o cardápio digital no próprio estabelecimento para realizar pedidos. Há também a versão gratuita, mas apenas para a visualização do cardápio;

 

  • Cardápio Digital em Tablet: é focado em atendimento em mesa com o intuito de facilitar e agilizar o processo de realização dos pedidos por meio da otimização da operação, redução de erros e aumento das vendas com a oferta de adicionais no pedido do cliente;

 

  • Goomer Fast: uma nova versão do Totem de Autoatendimento focado no atendimento em balcão de restaurantes fast food e fast casual.

 

Segundo Felipe, todas essas soluções listadas acima fazem parte de um conjunto de diferenciais que a startup oferta aos seus clientes, já que a Goomer soluciona todo o atendimento do restaurante, delivery e in-store. Tudo em uma mesma plataforma e por meio de diversos canais digitais (totem, tablets, smartphone). O autoatendimento traz otimização operacional, com possibilidade de redução de pessoas, aliado com melhoria na qualidade do atendimento, pois os atendentes têm mais tempo para se dedicarem na humanização da relação com o cliente. Já a digitalização dos pedidos, faz com que melhore a qualidade de cardápio, informações, como fotos, e customização dos pedidos, gerando um aumento de ticket médio de 15% em média. Para a ferramenta de delivery, não cobramos taxas ou comissões sobre o pedido e o estabelecimento tem todas as informações dos consumidores. Com nossas soluções, os estabelecimentos oferecem uma experiência tecnológica e diferenciada aos seus clientes. Em nossa concepção, o restaurante deve ter autonomia em sua operação, possibilitando a personalização e aproximação da marca com o cliente”, destaca.

 

Como contratar?

 

Para contratar uma solução food service da Goomer, é bem simples. Inclusive, o GoomerGo e o Goomer na Loja são produtos que a empresa intitula de ‘self service’. Ou seja, serviços que o próprio empresário pode fazer o processo de aquisição diretamente pelo site da startup: www.goomer.com.br/cadastro. “O cadastro é gratuito e a loja é criada em até 10 minutos. Dentro da plataforma, o cliente pode optar, posteriormente, por realizar um teste por 15 dias gratuitamente do plano Essencial e também realizar a assinatura dos planos disponíveis: GoomerGo Essencial, Goomer Na Loja Essencial, Combo Essencial (GoomerGo + Goomer Na Loja). Para os produtos Cardápio Digital em Tablet e Goomer Fast, é necessário solicitar o contato de um consultor Goomer por meio do site, preenchendo um breve formulário com dados básicos. O papel do consultor é analisar, juntamente com o gestor do restaurante, a melhor solução para cada operação”, explica Sardo.

 

Sitema é gerenciado pelo estabelecimento através da plataforma Goomer Gestão – Foto: Divulgação

 

Em relação aos custos, o CEO e fundador da empresa esclarece que “o investimento varia conforme o tamanho do negócio e o volume de pedidos”.

 

Dicas de quem entende do assunto

 

Por fim, ainda trazemos dicas de Felipe, que entende de gestão e mercado quando o assunto é transformação digital no ramo food service.

 

Em conformidade com o CEO, hoje em dia, o que um empresário de alimentação fora do lar deve focar é em “conseguir separar muito bem os canais de venda (marketplace A, marketplace B, app proprietário, retirada, mesa, balcão, etc.) que utiliza para analisar a lucratividade de cada um deles. Com isso, conseguirá tomar decisões mais estratégicas de onde e como investir”, aconselha.

 

Já para aqueles empreendedores que ainda estão começando nesse promissor mercado, Sardo indica que inicie “conhecendo e interagindo com seus clientes sempre. O mercado é muito competitivo e é necessário entender seus clientes e adaptar o seu negócio às demandas do mercado. Isso não quer dizer sair fazendo tudo o que eles demandam, mas unificar o seu propósito de negócio com as necessidades do mercado. É entender qual o nicho de clientes que mais gostam de você e que mais te trazem lucro e focar nas necessidades deles. Qual o formato e nível de atendimento eles demandam? Quanto eles estão dispostos a pagar?”, indica.

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Adequado aos novos hábitos de consumo, segmento de food service deve ter um cenário mais promissor em 2021

Gastronomia e Ciência? É com Luci Ikeda!