Vendas online apresentam significativo aumento durante a quarentena brasileira

Levantamento feito pela Compre & Confie e ABComm revela que as vendas dos supermercados aumentaram 80%

Em decorrência do necessário isolamento social devido à atual pandemia de Covid-19, a forma de comercializar produtos e serviços vem sofrendo importantes mudanças, com ênfase no novo hábito dos consumidores em recorrer à Internet para realizar suas compras.

 

Frente a esse cenário, levantamento realizado pela Compre & Confie, empresa de inteligência de mercado voltada a e-commerce, e pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), revelou que as vendas online já apresentaram significativo aumento desde o começo da quarentena no Brasil.

Conforme o estudo, que compara as vendas online do período de fevereiro e março deste ano com o mesmo período do ano passado, as categorias de destaque são saúde, com avanço de 111%, beleza e perfumaria, com aumento de 83%, e supermercado, com 80%.

Claudio Felisoni de Angelo, Presidente do IBEVAR

Em entrevista à reportagem da Rede Food Service, Claudio Felisoni de Angelo, economista e presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), explica que a pesquisa em questão reflete o novo mercado pós-pandemia, já que “consumir pelo canal online era uma prática do que chamamos de ‘consumidor digital’. A pandemia acelerou a migração de grupos que antes não adquiriam produtos online, mas, agora, sentem essa necessidade e precisam se adaptar. A facilidade na busca e comparação de produtos, a variedade e a praticidade são elementos que impulsionam esse crescimento em qualquer faixa etária. Vale ressaltar que um ‘consumidor digital’ não é apenas aquele que compra pela Internet. Considera-se também quem utiliza outros canais, seja telefone, loja física ou outras opções que fazer parte do atendimento omnichannel, mas, em algum momento, recorre ao online, mesmo que seja apenas para consultar características, preços ou comparativos sobre um produto ou serviço, por exemplo. É o que chamamos de topo do funil. Ou seja, o momento de consideração dentro da jornada de compra. A decisão pode depender de aspectos como preço, urgência, visualização do produto, experiência de compra ou segurança no frete, mas pode ser que essa compra seja, de fato, concluída no ambiente físico. Em meio à crise, a modalidade se torna uma alternativa para evitar a circulação e reduzir o tempo em lojas, possibilitando apenas a retirar rápida”.

+ posts

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Fique Atualizado!

Assine nossa newsletter

Veja também...

Viva Floresta: o e-commerce que dá voz, visibilidade e oportunidade para pequenos produtores e projetos regenerativos brasileiros

Criado com o propósito de apresentar ao consumidor final possibilidades de consumo consciente, o projeto também já é o responsável pelo plantio de mais de 8.000 árvores em florestas nativas e agroflorestas

  Já não é novidade que, a cada ano, o consumidor brasileiro está mais atento ao que consome e, por isso, tem optado por escolher

Leia mais »

Açaí Rude: conheça o negócio food service criado por dois amigos apaixonados por Jiu-Jitsu e motivados pela busca de um pós-treino de qualidade

Loja conceito da marca localizada no Mercado Municipal de Santo Amaro, em São Paulo, capital, foi iniciada por meio de um investimento de cerca de R$ 150 mil e já fatura R$ 70 mil por mês, com uma lucratividade de 30%

  Uma busca conjunta por um pós-treino de qualidade. Esse foi o pontapé inicial para a criação do Açaí Rude, um negócio food service fundado

Leia mais »