in

Gestão da produção e da segurança dos alimentos contribui para bons resultados no setor de Food Service

Especialista do Senac EAD destaca mudanças na condução dos serviços de alimentação e oferece dicas nos procedimentos de biossegurança

Desde 3 de maio estão abertas as inscrições para o curso de Gestão da Segurança de Alimentos - Foto: Getty Images

 

O mercado nacional de alimentos e bebidas faturou R$ 789,2 bilhões em vendas internas e externas em 2020. A informação divulgada em pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA)* destaca ainda que o setor foi responsável por 10,6% do Produto Interno Bruto (PIB) e por criar 20 mil novas vagas de emprego.

 

Ainda que o cenário econômico seja positivo, muitas empresas tiveram que adaptar os serviços e investir nas entregas de produtos em razão das medidas de distanciamento social provocadas pela pandemia da Covid-19. Cabe destacar que a mudança no sistema de atendimento requer planejamento e treinamento de colaboradores, já que o transporte de alimentos conta com algumas particularidades.

 

A coordenadora da pós-graduação em Gestão da Segurança dos Alimentos do Senac EAD, Laís Mariano Zanin, traça um panorama das principais alterações e reforça algumas iniciativas que ganharam espaço antes da pandemia. “As mudanças positivas para o serviço de alimentação estão relacionadas a diminuição do custo da manutenção de um restaurante com salão para atendimento ao público e com a expansão do relacionamento com o cliente por meio das entregas em domicílio. Desta forma, novas formas de trabalho se destacaram como as “Dark Kitchens”, que são cozinhas exclusivas para o atendimento no formato de delivery”.

 

Pontos de atenção

 

A oportunidade de adaptar o negócio para o sistema de entregas necessita de planejamento e cuidados redobrados. A especialista do Senac EAD aponta três aspectos, considerados essenciais:

  • higiênico-sanitário
  • manutenção dos alimentos em temperaturas seguras
  • cuidados nos serviços de entrega.

 

Do ponto de vista higiênico-sanitário é importante ressaltar que as necessidades de cumprimento aos requisitos das boas práticas de manipulação de alimentos são os mesmos para o ambiente da cozinha que não possui sistema de entrega. Entretanto, devem ser reforçadas neste período de pandemia. Dessa forma, a professora recomenda ações como treinamento da equipe e fornecimento de materiais, equipamentos e utensílios necessários à implementação do modelo.

 

Laís Zanin – Foto: Divulgação

 

Sobre o serviço de entrega, vale ressaltar a importância da escolha correta das embalagens e a forma como os alimentos são transportados, a fim de garantir a manutenção da temperatura até a chegada ao consumidor. “É preciso muita atenção, pois a manutenção da temperatura correta é o principal fator para prevenir doenças transmitidas por alimentos. Além disso, também é necessário que os restaurantes disponibilizem uma pia para lavagem de mãos e álcool gel para os entregadores, de forma a reforçar as medidas de prevenção do Sars-Cov2”, orienta.

 

Investimento garantido

 

A implementação das boas práticas de manipulação de alimentos precisa estar em destaque na gestão dos negócios de alimentação em todas as etapas. Ainda que alguns gestores tenham a falsa impressão de que custa caro investir nos utensílios, equipamentos adequados e produtos de higiene recomendados pelo Ministério da Saúde, é preciso analisar o custo-benefício dos procedimentos.

 

“Esse é um investimento que retorna em lucro para o negócio, uma vez que são ações percebidas pelos clientes, pois refletem na apresentação das preparações e na saúde do consumidor. Esta é uma forma de fidelizar o cliente e ter o retorno financeiro desejado”, recomenda a especialista.

 

Laís acrescenta que além do retorno positivo, as boas práticas de manipulação não são diferenciais do serviço, pois de acordo com a legislação sanitária brasileira são requisitos obrigatórios e fiscalizados pelos órgãos competentes.

 

Solicitamos à professora do Senac EAD dicas para que os pequenos empreendimentos de alimentação possam otimizar os serviços, garantindo a qualidade e fidelidade dos clientes. Confira:

  • Treinar e formar todos os manipuladores de alimentos para trabalharem de forma segura, incluindo os entregadores, quando possível.
  • Elaborar cardápios condizentes com a realização de processos que garantam a segurança dos alimentos.
  • Investir nos procedimentos de limpeza e higienização e na gestão da segurança dos alimentos como um todo. Ter um profissional habilitado para essa função com certeza fará toda diferença.
  • Utilizar matérias-primas seguras, ou seja, adquiridas de bons fornecedores, com selos de fiscalização (para produtos de origem animal).
  • Demonstrar para o cliente, por meio da apresentação do produto/preparação em embalagens adequadas, que o estabelecimento segue os protocolos de segurança e as boas práticas de manipulação de alimentos. Aqui incluo novamente a questão da temperatura dos alimentos, além de uma questão de segurança, é uma forma de fidelizar o cliente. Afinal, todos nós ficamos com os sentidos aguçados quando pegamos a caixa com a pizza bem quentinha, por exemplo.

 

Investindo em conhecimento

 

A atuação nos serviços de alimentação requer estudo e pesquisa constantes, visto que o mercado está alinhado com as boas práticas de manipulação e higiene, além de processos de gestão eficientes. Nesse sentido, o Senac EAD conta com quatro especializações, presentes na área de gastronomia.

 

Desde 3 de maio estão abertas as inscrições para o novo curso, Bebidas: mercado, cultura e sociedade.

Outras opções de pós-graduação são:

  • Gestão da Segurança de Alimentos
  • Gestão de Negócios em Serviços de Alimentação – foco em resultados Saiba mais sobre cada um na página do Senac EAD

 

Fonte: *ABIA – https://www.abia.org.br/releases/faturamento-da-industria-de-alimentos-cresce-128-em-2020

 

Sobre o Senac EAD

 

Com mais de 70 anos de atuação em educação profissional, o Senac foi pioneiro no ensino a distância no Brasil. A primeira experiência nesta modalidade se deu em 1947 com a Universidade do Ar, em parceria com o Sesc, que ministrava cursos por meio do rádio.

 

A partir de 2013, com o lançamento do portal Senac EAD, a instituição ampliou a sua atuação em todo o país. Hoje, oferece um amplo portfólio de cursos livres, técnicos, de graduação, pós-graduação e extensão a distância, atendendo todo o Brasil e apoiados por mais de 350 polos presenciais para avaliações.

 

Acesse a programação completa de cursos do Senac EAD em www.ead.senac.br.  Há também uma programação diversificada de cursos presenciais que pode ser conferida em https://www.senac.br/.

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Wine Trade Fair e Cachaça Trade Fair inauguram hub dedicado à venda de bebidas no atacado

Heinz lança o Tomato Ketchup Burger, um hambúrguer que leva ketchup Heinz em todos os ingredientes