in

O gap de 2020

Por BELISA MEDEIROS, Articulista da Rede Food Service

Foto: Rede Food Service - Getty Images

 

Antes de tudo, é importante destacar que todos somos sobreviventes do ano de 2020, o qual criou inéditos desafios e dificuldades, bem como a necessidade de mudanças e adaptações. Neste ambiente, diversas perdas e ganhos estão sendo contabilizados por nós agora que “a poeira está baixando”.

Alguém diria que tudo não passa de consequências do que aconteceu, afinal, a vida é feita disso, no entanto, não podemos ser tão conformistas ou fatalistas a ponto desconsiderar as valiosas lições deste período tão difícil.

Nos últimos 2 anos aconteceram inúmeras antecipações de situações, abreviações de vivências que nos moldaram: NÓS ESTAMOS DIFERENTES…! O que eu fiz, o que você fez neste período? Alguns dizem que foi tempo perdido, que foram 2 anos inexistentes: será mesmo? No mercado do food service, por exemplo, foi possível verificar um novo direcionamento durante e depois deste caos, o qual veio e agilizou diversos processos… E por aí? Qual foi o seu saldo?

Pensando sobre isso, a ideia aqui, além de visitar os temas, situações e curiosidades habituais do setor Food Service, é também abordar temas e tendências que tenham relevância e impacto no nosso “novo” cenário, afinal, verdades foram revisitadas e realidades foram reinventadas.

Tudo isso voltado para minha área de atuação: a arquitetura. Gosto e vivo do tema, respiro o ar de projetos, equipamentos, fluxos e legislação e, por isso, garanto uma viagem fácil sobre muitos temas. Bora?

ADAPTAÇÃO GARANTIU A SOBREVIVÊNCIA. No mercado da gastronomia, ADAPTAÇÃO foi o que mais se viu, como já sabemos. Teve restaurante se virando nos 30 para entregar delivery aos clientes famintos e isolados, teve equipe da operação montando refeições em mesas adaptadas dentro do salão; teve empresário que não conhecia o delivery e precisou “fazer das tripas coração” para se manter vivo… enfim… Faltaram embalagens no mercado, sobraram funcionários no quadro da equipe, vimos o boom dos apps para delivery e o surgimento de inúmeras dark kitchens para suprir a demanda.

A redução do quadro de funcionários devido ao custo consagrou a importância da digitalização dos processos para melhorar o gerenciamento. Uma solução agora não só bem vista como também necessária no sucesso do negócio.

O lado bom destas mudanças foi nos obrigar a olhar para nossos processos e encurtar alguns caminhos dentro da operação de uma cozinha profissional. E tudo isso veio, aconteceu, nos transformou e nos adaptamos, afinal, humanos fazem isso: SE ADAPTAM E SOBREVIVEM.

Porém, no mundo pós pandemia não basta sobreviver, isso é coisa do passado!

Agora a EXCELÊNCIA é a bola da vez. Todos que sobreviveram estão mais fortes, ou seja, o nível da régua subiu. Agora ganha quem produz com mais eficiência, mais qualidade, menos erros e ainda mantém o cliente feliz. Sejamos francos, somente quem trabalha dentro de um padrão de qualidade oferecido pela digitalização da cozinha se mantém nos 100% de saturação de oxigênio. Fora isso, fica sempre nos altos e baixos: quando corre, falta ar nos pulmões e começam as complicações no caixa da empresa.

Atualmente, o mercado atende com diversos equipamentos e alternativas interessantes para acertar de vez no “novo normal”. São fornos combinados inteligentes que operam usando receitas padronizadas gravadas e gerenciadas remotamente, frigideiras basculantes altamente eficientes e programáveis, ultra congeladores que oferecem um processo tão veloz de congelamento abreviando ao máximo a geração de flocos de gelo no alimento congelado, trazendo resultados incríveis na cozinha.

A parte boa de tudo isso é que só tem benefícios.

É verdade que esse tipo de otimização e a excelência demandam um investimento prévio, porém, quem os fez, com certeza, está colhendo os frutos e saindo a passos largos na frente da concorrência.

Lembre-se, o nosso cenário mudou, quem investiu em adaptação e excelência está olhando para trás e pensando: “que bom que eu investi!”, porque o payback vem a passos largos!!!

O mercado, clientes e investidores são exigentes, cada vez mais! Estar antenado a tudo que surge de novidade é garantia de atender com assertividade e superar as expectativas, afinal de contras ADAPTAÇÃO e busca pela EXCELÊNCIA são processos contínuos!

Vem comigo nesta jornada? No nosso próximo encontro trago um assunto bem recorrente entre donos de restaurantes sobreviventes: a reforma do salão do restaurante e da cozinha para atender melhor o cliente e otimizar a equipe da produção. Como nasceu esta demanda e qual é a nossa solução para esta questão? Tudo isso e mais um pouco vamos desenrolar no próximo mês! Você leitor, se for um sobrevivente do setor Food Service e está na luta: já sentiu necessidade disso no seu empreendimento?

 

Belisa Medeiros é a arquiteta da BEKITCHENS, Empresa especializada em Concepção e Planejamento para Projetos de Restaurantes.  A BEKITCHENS oferece a solução completa para o setor do Food Service, desde o projeto até implantação de empreendimentos gastronômicos. Atua com projetos de restaurante para refeições coletivas, hotéis, restaurantes comerciais, cafeterias e demais áreas do setor.

www.bekitchens.com.br

@be.kitchens

[email protected]

51 999774450

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Olga Ri: conheça a foodtech de alimentos que conquistou mais de 30 mil clientes e faturou cerca de R$ 21 milhões em plena pandemia de Covid-19

Vida de Chef de Partie? É com Ana Salles!