Pesquisar
Close this search box.

Dona Celina: a casa de pães de queijo criada por advogada mineira em São Paulo que vende em média R$ 170 mil por mês

Localizado no bairro do Jardim Guedala, negócio já ganhou o coração dos paulistas e, atualmente, possui cardápio com 11 sabores de pães de queijo doces e salgados servidos no salão ou enviados por delivery prontos ou congelados

DonaCelina2
Dona Celina: a casa de pães de queijo criada por advogada mineira em São Paulo - Divulgação

 

PÃO DE QUEIJO. Esse é o produto carro-chefe da Dona Celina, um negócio food service criado pela advogada mineira Luciana Carla U. Machado Peres, de 51 anos, em São Paulo, capital, que, hoje, nós da Rede Food Service temos o prazer de te apresentar como um exemplo prático de que investir em receitas tradicionais ainda é um ótimo negócio no atual mercado de alimentação fora do lar.

 

Afinal, localizado no bairro do Jardim Guedala, o negócio já ganhou o coração dos paulistas e, atualmente, possui cardápio com 11 sabores de pães de queijo doces e salgados que são servidos no salão ou enviados por delivery prontos ou congelados. Assim como, vende, todo mês, “em média R$ 170 mil entre atacado e varejo. Já o nosso lucro gira em torno de 20%. Atualmente, o que mais nos caracteriza é a excelência de todos os produtos que fabricamos e os que revendemos, além do nosso atendimento, seja presencial ou no delivery. Nós sempre buscamos o que há de melhor, como o melhor polvilho, queijo, leite, ovos. Nós não economizamos com isso. E, em relação aos produtos que revendemos, a lógica é a mesma. Buscamos produtos que encantem pelo sabor e pelos ingredientes. E, se possível for, com pouco açúcar e sem conservantes. Hoje em dia, eu já planejo aumentar o nosso delivery, que representa atualmente 10% das vendas. Além disso, eu sonho em abrir outra loja”, revela Luciana Peres, que é casada e natural de Uberaba, no Triângulo Mineiro, em entrevista exclusiva à nossa reportagem.

 

QUER CONHECER MAIS SOBRE A DONA CELINA?

 

Então, de antemão, te adiantamos que o nome Dona Celina é uma homenagem que Luciana Peres fez para a sua avó materna, uma vez que “eu me inspiro muito na minha avó, que era uma otimista por natureza. Ela sempre teve um olhar gentil e positivo para as coisas. E eu me inspiro também nas sugestões do meu irmão, que foi quem me incentivou a fazer o melhor pão de queijo que eu pudesse fazer. Ele me motivou a fazer algo especial e desejado. No entanto, hoje, os dois não estão mais por aqui, mas me guiam diariamente na condução da Dona Celina”, partilha a advogada e empresária.

 

QUE TAL MAIS DETALHES?

 

É só, na sequência, conferir:

 

  • O QUE É O NEGÓCIO DONA CELINA?
  • COMO SURGIU A IDEIA DA DONA CELINA?
  • EQUIPE E FUNCIONAMENTO DA DONA CELINA
  • CARDÁPIO DIFERENCIADO E PERFIL DE CLIENTE DA DONA CELINA
  • DICAS PARA TER SUCESSO NO ATUAL MERCADO FOOD SERVICE

  

O QUE É O NEGÓCIO DONA CELINA?

 

Por definição da própria Luciana Peres, a Dona Celina “produz pão de queijo de forma artesanal, com ingredientes regionais e de primeira qualidade. A receita é da minha família de Uberaba. No começo, eu pensava em comercializar o nosso pão de queijo em cafeterias e também no varejo por meio da participação em feiras de produtos artesanais. Mas, atualmente, temos o nosso espaço, o qual eu defino como uma loja de pão de queijo que tem café. É diferente de uma cafeteria tradicional, onde são encontrados vários tipos de salgado e pães. Na nossa loja, somos especialistas em pão de queijo, que é vendido em algumas versões (simples, recheadas, integral e palito de parmesão). Além disso, ainda atuamos no atacado, mas aumentamos consideravelmente as vendas no varejo, tanto no formato delivery, quanto no presencial”, explica.

  

COMO SURGIU A IDEIA DA DONA CELINA?

 

Sobre como surgiu a ideia da Dona Celina, Luciana Peres compartilha que tudo começou “no ano de 2016, sendo que, desde 2009, eu já fazia pão de queijo para o consumo da minha família. Quem me ensinou a fazer foi o meu tio e eu estava cansada da minha profissão. Com isso, eu pensei em empreender, pois todos os amigos e a minha família gostavam demais do meu pão de queijo, que, na época, eu fazia usando os mesmos ingredientes que se usa na fazenda. A minha ideia inicial era fazer um produto que não encontrava para vender em São Paulo e que tivesse o sabor e a qualidade que conhecia em Minas Gerais. E, ao contrário do que é preconizado e altamente recomendado, não fiz plano de negócios. A minha intenção era vender para conhecidos, etc. Então, o crescimento foi orgânico e o investimento inicial foi de aproximadamente R$ 10 mil, com uma misturadora, freezer e equipamentos de inox para produção”, relata.

 

DonaCelina1
Luciana Peres, idealizadora e proprietária do Dona Celina – Divulgação

 

Luciana Peres acrescenta que “a Dona Celina surgiu formalmente em setembro de 2016.  Nesse ano, eu comecei fazendo pão de queijo na cozinha da minha casa, apenas por encomenda. Eu trabalhava como advogada na época e fazia os pães antes ou depois do expediente, sempre oferecendo para amigos e conhecidos. E, aos poucos, dessa forma, eu passei a oferecer amostras em cafeterias que tinham o mesmo propósito nosso de comercializar produtos artesanais de qualidade até que, em 2017, eu me desliguei do trabalho como advogada onde eu trabalhei por 17 anos. É, em abril daquele mesmo ano, eu participei da minha primeira feira de produtores, no Museu da Casa Brasileira em São Paulo. Nessa época, a produção era feita por mim e mais uma ajudante e eu fiz pão de queijo nessa cozinha adaptada da minha casa até março de 2020”, relembra.

 

EQUIPE E FUNCIONAMENTO DA DONA CELINA

 

Hoje em dia, Luciana Peres conta com uma equipe formada por 10 colaboradores que a ajudam na Dona Celina e se revezam na produção e no atendimento do negócio. “Nós temos a nossa equipe de produção, que produz diariamente, e a nossa equipe de atendimento presencial e delivery. Atendemos cerca de 50 clientes de atacado, inclusive, a Casa Santa Luzia, e não tenho sócios. A concepção do negócio é minha e, desde o início, eu queria vender pão de queijo sem aditivos químicos, sem essência e queria ter uma gama grande de recheados. Assim, eu fui desenvolvendo organicamente à medida que sentia necessidade pela demanda. Além disso, o meu marido sempre me ajudou na montagem das feiras e nas ideias de mobiliário e produtos para a loja. Enfim, fui fazendo, errando e acertando”, assinala.

 

CARDÁPIO DIFERENCIADO E PERFIL DE CLIENTE DA DONA CELINA

 

Como já enfatizado por Luciana Peres, quem vai até a Dona Celina encontra pão de queijo de verdade. E, nesse sentido, ela realça que o atual cardápio do seu negócio food service é composto por “11 tipos de pães de queijo congelados. Temos os sem recheio, sendo tradicional, integral, palito de parmesão e os recheados, como o de goiabada artesanal, nutella, doce de leite, provolone, requeijão, gorgonzola, linguiça e pimenta biquinho. Fabricamos também o tradicional sem lactose e o nosso carro-chefe dos congelados é o palito de parmesão. Já na loja, vendemos pães de queijo assados simples ou recheados na hora com queijo canastra, queijo minas artesanal, requeijão de corte, linguiça, doce de leite, nutella e goiabada. E o mais vendido é o pão de queijo recheado com queijo canastra”, divulga.

 

DonaCelina4
Dona Celina: a casa de pães de queijo criada por advogada mineira em São Paulo – Divulgação

 

É válido ressaltar ainda que, além do cardápio focado em pão de queijo, a casa serve cafés especiais como acompanhamento da iguaria mineira e conta com um empório de produtos selecionados a dedo dos quatro cantos do país. No total, o espaço reúne mais de 50 pequenos produtores brasileiros de queijos, doces, vinhos, meles, compotas, pimentas, entre outros. Assim como, a Dona Celina já é a fornecedora de pão de queijo para mais de 40 estabelecimentos no Estado de São Paulo, como cafeterias, sorveterias e a versão congelada em empórios de varejo premium. “É muito especial compartilhar a receita da minha família, que comia os pães de queijo na fazenda, com os clientes. E mais especial ainda despertar o desejo por um produto de qualidade, feito com ingredientes de verdade e vendido por um preço justo”, garante.

 

Com um cardápio tão diferenciado, a advogada e empresária avalia que o perfil de cliente da Dona Celina é formado por pessoas “que buscam produtos de qualidade, que valorizam os produtores nacionais, locais e com excelentes ingredientes. São aqueles clientes que preferem produtos sem conservantes e aditivos químicos”, alega.

 

DICAS PARA TER SUCESSO NO ATUAL MERCADO FOOD SERVICE

 

E aí? A sua família também tem uma receita tradicional que avalia que pode virar um negócio food service de sucesso assim como aconteceu com Luciana Peres?

 

DonaCelina3
Luciana Peres, idealizadora e proprietária do Dona Celina – Divulgação

 

Se sim, saiba que, conforme a advogada e empresária, vale a pena investir no atual segmento de alimentação fora do lar, uma vez que “existe uma demanda por comida boa e nunca deixará de existir. Hoje, há um movimento crescente de comer fora de casa. Até porque, cada vez mais, as pessoas têm pouco tempo com a vida corrida e comer é necessário e também um ato social. Então, sempre haverá demanda por bons produtos. E um combo infalível para ter sucesso nesse ramo é oferecer uma excelente comida, excelente atendimento e um lugar agradável e limpo”, aconselha.

 

Na Rede Food Service é assim! Sempre te contamos, com exclusividade, as histórias de negócios de alimentação fora do lar que deram certo como inspiração. Sendo assim, fica aqui o convite para continuar nos acompanhando e para CLICAR AQUI e também conhecer o Burguês: uma das maiores hamburguerias focada em delivery do Brasil criada com investimento inicial de R$ 50 mil.

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Fique Atualizado!

Assine nossa newsletter