Pesquisar
Close this search box.

Empreendedorismo na periferia: o sucesso inspirador de Bianca Araújo e a Vagão Dog e Fritas

A lanchonete temática faz sucesso na periferia de São Paulo com seus hot dogs e iniciativas culturais e sociais. O próximo passo, segundo a fundadora, é transformar a empresa em uma franquia

Vagao1
Vagao1

 

Não dá para negar. O empreendedorismo desempenha um papel fundamental na mudança de realidades sociais e econômicas, principalmente quando falamos da periferia do Brasil. E ter exemplos de sucesso dentro desta realidade significa representatividade, inclusão e quebra de estereótipos, fazendo com que outros indivíduos persigam seus próprios sonhos de estabilidade financeira.

 

Acontece que na construção de uma sociedade mais equitativa, os empreendedores periféricos também se tornam agentes de mudança em suas comunidades, gerando renda, empregos, oportunidades e servindo de exemplo positivo.

 

Tudo isso podemos encontrar em Bianca Alves de Araújo, preta, periférica, uma empreendedora nata e o nome por trás da Vagão Dog e Fritas, uma lanchonete temática especializada em hot dogs que faz sucesso na periferia de São Paulo, mas especificamente no extremo da Zona Leste, no distrito de Guaianases. Para quem não conhece, trata-se de uma região nascida a partir de aldeamentos indígenas e que hoje abriga uma população de mais de 165 mil habitantes, divididos em 29 bairros, em uma área de 8,6 km².

 

Vagão Dog e Fritas – Divulgação – RFS

 

Com receitas e metodologias exclusivas, a Vagão foi criada com o propósito de oferecer uma experiência gastronômica e cultural única em hot dogs para os moradores de comunidades, contando com atendimento no salão e também por delivery, com esta última modalidade representando 75% do faturamento atual da empresa.

 

Construída a partir de uma jornada de sucesso e superações, atualmente, a Vagão Dog e Fritas opera com dois funcionários em uma loja de 32m². Por mês, são vendidos, aproximadamente, 2.100 hot dogs, que possuem um ticket médio de R$ 40.

 

“Nosso objetivo é ser referência em hot dogs e como diferencial cultural do bairro, fazendo parte da história, cultura e economia local”, conta Bianca.

 

O começo de um sonho

 

Mas a história dela não começa aqui. Antes, a proprietária da Vagão Dog e Fritas atuou por sete anos na área de marketing e vendas, tendo começado sua jornada como operadora de telemarketing. “Com o tempo, passei para o cargo de supervisora e, depois, cheguei à coordenação. Lá, tive a oportunidade de aprimorar minhas habilidades de liderança, planejamento e vendas”.

 

Mãe de Bianca, sua inspiração – Divulgação – RFS

 

Foi em 2015 que Bianca iniciou sua formação em marketing. Quando concluiu o curso, decidiu que estava na hora de realizar um grande sonho: se tornar uma empreendedora. “Nessa busca, fiz cursos de gestão financeira pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e também de planejamento estratégico pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), até que, finalmente, tive a oportunidade de conhecer a gastronomia. Imediatamente me encantei”, relembra a empreendedora.

 

Assim, foram dois anos de muita pesquisa e trabalho, até que em julho de 2017 ela fundou a Vagão Dog e Fritas, uma lanchonete temática idealizada para levar para a periferia o que há de melhor no segmento, sempre com uma pitada de bom humor e muito sabor caseiro.

 

De acordo com Bianca Araújo, sua inspiração e força para começar o negócio, do zero, vieram de sua mãe. “Ela é a mulher mais incrível que eu conheço. Desde que meu pai foi embora, ela lutou e se reinventou várias vezes para criar eu e meu irmão. Para isso, empreendeu de todas as formas possíveis”.

 

 

Bianca Alves de Araújo do Vagão Dog e Fritas – Divulgação – RFS

 

A família de Bianca sempre teve consciência que a área de alimentação fora do lar era uma das mais rentáveis na hora de empreender. “Antes da empresa, em meados dos anos 2000, assim que teve um dinheiro disponível, meu irmão comprou o nosso primeiro carrinho de hot dog. Passei por muito bullying na escola por conta disso, todos riam porque minha mãe vendia hot dogs, o que foi desafiador para uma adolescente. Acompanhei minha mãe batalhando ali, diariamente, e crescendo pouco a pouco. Vi quando a demanda passou de 300g de bacon por noite para 4 kg… Foi com ela, através dos exemplos, que aprendi que todo sonho vale a pena e que a gente nunca deve se importar com o que os outros pensam. Afinal, nós que estamos na arena lutando para ter o reconhecimento do nosso trabalho”.

 

Um exemplo que serviu de base para a construção da própria história de Bianca. “Já se vão seis anos formatando o negócio para que a Vagão Dog e Fritas se torne uma referência na Zona Leste da capital paulista. E mais, a ideia é que futuramente o negócio se torne a melhor franquia de hot dogs do Brasil”, revela Bianca para a Rede Food Service.

 

“Ao longo desse período, inovamos. Procuramos manter um serviço padronizado e uma equipe uniformizada, algo que se tornou um grande diferencial no bairro e acabou servindo de referência para outros comerciantes locais. Para manter o padrão de qualidade, uma das nossas iniciativas, por exemplo, foi proporcionar, através do Sebrae, cursos de Atendimento e Boas Práticas na Cozinha para toda a nossa equipe”, conta.

 

Impacto social do projeto

 

Além de focar na viabilidade econômica do negócio, a empreendedora explica que desenvolveu a Vagão Dog e Fritas para que o projeto gastronômico também fizesse diferença social no bairro. “Por isso, no decorrer desses anos, promovemos eventos de impacto social através de parcerias. O primeiro e o mais desafiador deles foi o mutirão de grafite e limpeza. Na ocasião, fizemos a limpeza de calçadas abandonadas, convidamos grafiteiros locais que deram dicas e ensinaram as crianças esta arte e, por meio dela, promovemos um resgate ancestral através do estilo stencil, onde decoramos as paredes do bairro com adinkra”, diz, orgulhosa.

 

Ao falar sobre adinkra, Bianca se refere ao sistema de símbolos gráficos originário da cultura Akan, da África. Sua incorporação à cultura brasileira é uma forma de valorizar e preservar as raízes africanas que fazem parte da identidade nacional.

 

Vagão Dog e Fritas – Divulgação – RFS

 

Entre as iniciativas sociais, a Vagão Dog e Fritas também promoveu, de forma coletiva, o Primeiro Festival de Consciência Negra de Guaianases, em parceria com o CPDOC Guaianás – um coletivo de pesquisadores periféricos que, desde 2015, investiga as histórias e as memórias de bairros do extremo leste da cidade de São Paulo e de seus moradores –, com o grupo de dança Fragmento Urbano, com o grafiteiro Tody One e com a professora Andrea, integrante do coletivo Marcha das Mulheres Negras.

 

“O evento ocorreu dentro da nossa loja, em um ambiente totalmente decorado. Nele, pudemos promover o sarau ‘Pretas Peri’, dança, documentário, grafite, tranças nagô e, principalmente, referenciar a historiadora Sheila Alice, que em sua tese de mestrado conta e pesquisa a história do negro em Guaianases. O evento foi tão relevante que foi até notícia de jornal”, conta.

 

Sucesso e desafios do negócio

 

Paralelamente aos projetos culturais e sociais, pouco tempo após a abertura da Vagão Dog e Fritas, Bianca Araújo conseguiu dobrar o faturamento inicial da empresa e ainda implementar um novo canal de vendas. “Começamos a atuar no delivery um ano após nossa abertura. Isso foi um divisor de águas na nossa história, pois, com isso, ampliamos consideravelmente o nosso alcance de atendimento”, afirma.

 

A empreendedora não parou por aí. Seguiu trabalhando e aumentando o faturamento da empresa, até que em 2019 ela fez a aquisição de alguns novos equipamentos. “Como as máquinas demandaram um alto valor disponível, demoramos para obter o retorno do investimento”, explica ela.

 

Vagão Dog e Fritas – Divulgação – RFS

 

Neste cenário, em 2020, teve início a pandemia da Covid-19, uma problemática que causou transtornos mundiais em diversas frentes. “Este foi o maior desafio da nossa história. Tivemos uma queda brusca nas vendas nos primeiros 15 dias. Mas depois conseguimos nos adaptar e aprimorar o que fazíamos. Para superar o momento, colocamos à disposição dos clientes o nosso site de vendas, uma inovação que facilitou o nosso dia a dia, reduziu erros e melhorou nosso ritmo de trabalho”.

 

No final de 2020, como uma forma de suporte no enfrentamento da situação, a Vagão Dog e Fritas conseguiu um pequeno recurso financeiro do Governo do Estado de São Paulo, através do Banco do Povo. “Com isso, pudemos melhorar o nosso ambiente de trabalho e nos tornamos uma loja conceito, já preparada para receber os clientes no período pós-pandêmico. Também demos entrada no registro da marca no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e conseguimos atingir o faturamento necessário para migrarmos do MEI (Microempreendedor Individual) para o ME (Microempresa)”, diz Araújo.

 

No mesmo período, o negócio também conseguiu implantar um cantinho de incentivo à leitura. “O espaço, que foi batizado de ‘Tem leitura no Vagão’, é uma área focada na troca de livros e de conhecimento”, explica.

 

No ano seguinte, 2021, ainda durante a pandemia, a empresa teve um crescimento de 100% no faturamento graças a ajuda do Sebrae ao Fundo de Estruturação de Projetos (FEP). “Isso nos ajudou a analisar e resolver os grandes gargalos do atendimento, como o tempo de entrega. Também pude me formar no Empretec, um programa de formação de empreendedores fornecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e aplicado pelo Sebrae”.

 

O futuro da Vagão Dog e Fritas

 

Superada a pandemia, a empresa tem se dedicado a montar um manual operacional de procedimento padrão e também foca na aquisição de mais equipamentos para dar velocidade às operações. Futuramente, uma das ideias de Bianca é franquear a Vagão Dog e Fritas.

 

“Tenho o grande sonho de ter uma rede de franquias e ser referência como mulher negra no ramo de franchising. Meu objetivo é conectar as pessoas às histórias de São Paulo através do hot dog da periferia, fazendo isso através de receitas e metodologias exclusivas”, diz ela.

 

Para 2024, Bianca planeja realizar o branding da marca, com o objetivo de alinhar, padronizar e valorizar a imagem da Vagão Dog e Fritas. “Além disso, focar na formatação da franquia e escalar o negócio”, reforça a empreendedora.

 

Confira AQUI na Rede Food Service: A Torteria: o negócio especializado em tortas criado por quatro amigos.

 

 

Anna Katia Cavalcanti1
Anna Katia Cavalcanti
+ posts

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn

2 respostas

  1. Bianca é uma jovem determinada, talentosa, criativa e inspiradora. Parabéns!

  2. Gostei da força de vontade
    Deus abençoe mais e mais

Fique Atualizado!

Assine nossa newsletter

Veja também...