in

Vida de chef para além das fronteiras? É com Alexandre Bispo!

Com 36 anos de carreira, o Consultor Gastronômico, Chef Chocolatier da Harald e professor já deu três voltas e meia à terra levando os seus conhecimentos pelo mundo a fora

Foto: Divulgação

 

Uma vida de chef para além das fronteiras. Esse é o enredo da vida profissional de Alexandre Euzébio Bispo, de 51 anos, mais conhecido como chef Alexandre Bispo.

 

Com 36 anos de carreira, o Consultor Gastronômico, Chef Chocolatier da Harald, empresa líder em coberturas e chocolates no Brasil, e professor revela que já deu três voltas e meia à terra levando os seus conhecimentos pelo mundo a fora. “Por meio da minha profissão, eu já tive o privilégio de conhecer mais de 30 países com a oportunidade de ministrar aulas, congressos e, muitas vezes, estudar. Só para ter uma ideia, em 2019, antes da pandemia de Covid-19, o Google Maps me enviou uma nota dizendo que eu havia dado três voltas e meia à terra no ano de 2019 viajando para ir levar os meus conhecimentos por este mudo a fora, entre treinamentos, congressos e eventos, sejam para atender clientes da Harald Chocolates ou de forma particular”, partilha em entrevista exclusiva à Rede Food Service.

 

O chef desnuda também que vida de chef para além das fronteiras não é só glamour como muitos podem pensar. Pelo contrário! “Na prática, a vida de cozinheiro, de chef é uma batalha, um calor sem igual em uma cozinha industrial ou até de um restaurante, padaria, entre outros. Quem decide ser cozinheiro, logo no início de sua carreira, vai viver de perto essa realidade e ter toda a certeza do quer para a sua vida profissional. A cozinha tem que ter paixão do fundo do coração. Tem que estar no seu DNA a vontade de ser cozinheiro. Mesmo assim, se eu não tivesse sido cozinheiro, sabe o que eu seria? Cozinheiro do mesmo jeito (risos)”, acrescenta.

 

Quem é Alexandre Bispo?

 

Casado com Hélvia e pai de Alexandre Bispo Filho, Bispo é “um homem, pai de família, apaixonado pela vida, meu filho e a minha família”, se define.

 

Foto: Divulgação

 

Sobre o seu lado profissional, o chef afirma que “antes de ser chef, eu sou cozinheiro de amor e formação!  Eu sempre quis ser um chef de conhecimento e reconhecimento! Para isso, estudei e vivi a minha vida inteira em busca de aprender o valioso conhecimento. Logo, o reconhecimento viria de forma natural, assim como o reconhecimento de ser respeitado no mercado e admirado por colegas de profissão, além do reconhecimento financeiro de ser bem pago pelo que faço. Um chef se define por liderança e conhecimento, uma combinação perfeita para ser um chef. Esses dois ingredientes trazem grandes resultados! Eu, mesmo sendo cozinheiro, confeiteiro e chocolateiro de formação, o mercado tem me consumido no mundo da confeitaria e chocolateria. Portanto, eu me tornei um especialista em chocolate”, explica.

 

Formação e experiências profissionais

 

Cozinheiro de formação, Bispo possui especialização em Confeitaria e Chocolateria e alega que o seu interesse pela área de Gastronomia começou muito cedo, ainda durante a sua infância. “Eu venho de uma família de cozinheiros. O meu pai é militar e Chef de Cozinha do Exército Brasileiro. Mesmo eu sempre achando que o meu pai era militar quando criança, eu já queria ser cozinheiro desde muito cedo. Por volta de 9 anos, eu já fazia as minhas primeiras receitas em casa. E, aos 15 anos, fui fazer o meu curso de Cozinheiro no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial de Pernambuco (SENAC-PE) de forma profissional. Sendo assim, já tenho 36 anos de profissão de forma profissional mais o tempo como amador”, calcula.

 

Foto: Divulgação

 

Sobre as suas experiências profissionais, o chef complementa que “o começo de tudo em minha formação foi o SENAC – PE, que sou eternamente grato por ter tido uma base do mundo da culinária de forma tão profissional. Depois, eu fui estudar de forma autodidata, mas sempre tendo a certeza de que estudar e ter experiências com outros chefs seria o melhor caminho e, assim, o fiz. Entre elas, fiz curso de Confeitaria na Argentina, Inglaterra, França e outros países, além do Brasil. Hoje, sou professor, especialista em chocolate e confeitaria e ando visitando empresas do setor food para treinar esses profissionais fazendo com que se tornem um especialista como eu”, conta.

 

Foto: Divulgação

 

Bispo complementa que “sou um privilegiado em escolher uma profissão que tanto amo. Eu não sinto que trabalho, pois estou sempre achando uma diversão, um desafio a cada dia. Fazer o que gosta, não tem preço. Portanto, sou um chef de corpo, alma e coração na cozinha”, assegura.

 

Prêmios e experiência marcante

 

Com uma carreira tão diversificada e ativa, Bispo coleciona alguns prêmios como chef. “Eu já recebi vários prémios em minha carreira profissional. O meu primeiro foi o de Melhor Aluno Cozinheiro do SENAC – PE quando eu ainda era aluno. E o mais recente foi entrar para o Guinness Book em 2019 como a Maior Escultura de Chocolate do Mundo. Mesmo assim, eu considero que o maior prêmio de todos que eu recebi foi o de ser cozinheiro e feliz por escolher e fazer o que gosto todos os dias”, garante.

 

Foto: Divulgação

 

Ao ser questionado sobre uma experiência marcante em sua vida profissional, o chef sinaliza que “eu considero que vivo isso todo dia, pois eu trato o meu trabalho de forma a ser um evento a cada dia, tornando-o sempre especial. Mas, uma vivência que me marcou foi em 2018, quando fui convidado a fazer uma casa de chocolate. Eu fiz, juntamente com uma equipe que liderei, uma casa de chocolate de 10,488 toneladas quatrocentos e oitenta e oito quilos de chocolate, um feito que entrou para o Guinness Book em 2019 como a Maior Escultura de Chocolate do Mundo”, destaca.

 

Metas e desafios

 

Experiente, Bispo divide que “eu sempre fui um profissional que encaro o meu trabalho com metas de alcançar o topo mais alto naquilo que estou fazendo no momento. Procuro sempre buscar o meu estado de excelência e, para isso, eu tenho metas diárias para fazer o meu melhor a cada dia. Mas, hoje, eu continuo me dedicando aos ensinos e a minha meta principal é me tornar uma referência no mundo digital com os meus ensinamentos”, assinala.

 

Visão de mercado

 

Conforme Bispo, hoje em dia, a alimentação ganhou outro conceito. “Atualmente, a alimentação gera uma cadeia produtiva sem igual por trás do chef, o agricultor familiar, a agricultura de forma geral, as pequenas, média e grandes indústrias de alimentos, passando pelos profissionais da gastronomia até chegar ao mercado consumidor, aquele que paga e consome o produto final, o cliente. E o cliente é o mais importante em todo esse processo, pois é ele quem paga a contar e essa conta faz a roda girar. Portanto, a alimentação é um carrossel de valores que gera o ‘ganha ganha’”, classifica.

 

Foto: Divulgação

 

Com esse ponto de vista, o chef compreende que a vida do chef “é estudar, praticar, se envolver e entregar resultados.  Hoje, o mercado está precisando de profissionais envolvidos, apaixonados no que fazem. Pessoas que tenham compromisso com o que se comprometeu a fazer, sendo, assim, responsável e tratando o seu trabalho de forma respeitosa e profissional. Eu também vejo que o setor food vem crescendo. A cada dia, surgem grandes oportunidades que o setor tem a oferecer. Dessa forma, hoje, basta o profissional ver essas portas abertas e entrar para aproveitar as oportunidades. Afinal, o setor é bastante promissor”, enfatiza.

 

Vida de chef transformada com a pandemia de Covid-19

 

Assim como para a maioria dos chefs de cozinha, a pandemia de Covid-19 também foi um verdadeiro divisor de águas na carreira de Bispo. Para ele, a doença e todos os seus percalços sociais e econômicos, mudou a sua vida de chef em “simplesmente tudo! A primeira coisa que aconteceu foi parar de viajar. Antes, eram mais de 30 anos viajando o mundo e, de uma hora para a outra, tudo se resumiu entre quatro paredes da cozinha da minha casa e um celular. Daí, a minha vida foi realizar treinamentos, lives aulas e eventos só que, dessa vez, de forma virtual. E, após três meses assim, logo vi que as coisas não iriam voltar ao normal tão cedo, principalmente, a minha rotina de viagens. Com isso, procurei fazer uma cozinha studio para poder realizar o meu trabalho à distância de forma virtual. Afinal, já que o meu trabalho é transmitir conhecimento, o mundo virtual foi o caminho e terminou dando tudo certo”, comemora.

 

Dica de chef para além das fronteiras

 

Por fim, Bispo indica que para quem sonha em ser um chef de cozinha para além das fronteiras assim como ele é preciso que “escolha a sua profissão de corpo, alma e coração, pois, assim, vai ser mais fácil de exercê-la. Depois, procure estudar e se especializar todos os dias. Colocar o nome de chef bordado em seu dólmã é muito fácil! O mais importante é ser um cozinheiro, uma vez que chef é uma posição que você está ocupando no momento. Então, primeiro, procure ser para, depois, ter. Procure ser um cozinheiro para, depois, ter o título de chef em sua história profissional”, aconselha.

 

Foto: Divulgação

 

E você? Gostou de conhecer a história de vida profissional de Bispo, não é mesmo? Então, continue nos acompanhando. Pois, aqui na Rede Food Service, toda semana, te apresentamos o que é uma vida de chef de verdade!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

PEPSICO e FUNDES abrem inscrições de CURSO GRATUITO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE MULHERES; Saiba como participar

Bucatini ao Funghi Porcini