in

‘PizzaForno’ lidera a corrida das “Pizzarias Robotizadas”

Empresa pretende instalar 20.000 quiosques de pizzaria totalmente automatizados até 2026 na América do Norte

Unidade da 'PizzaForno" no Canadá - Foto: QSR Magazine - Reprodução

 

Os sócios Les Tomlin e Will Moyer apostam que o futuro dos negócios de alimentação fora do lar passam pela robótica e a dupla pretende implantar 20.000 quiosques da marca PizzaForno na América do Norte até 2.026, incluindo os 1.000 pontos que devem ser implantados no mercado americano, já em 2.022.

 

O negócio começou há três anos e meio quando os dois conheceram o empresário francês Vincent Le Gouic, que queria exportar sua tecnologia de fabricação automatizada de pizzas para os Estados Unidos. Naquela época, após 7 anos do primeiro protótipo, Le Gouic havia vendido cerca 700 quiosques na França, na maioria dos casos para pequenos comércios que queriam ter uma opção de receita adicional.

 

Na ocasião, Tomlin e Moyer voaram para a França e dirigiram cerca de uma hora ao norte de Paris, até uma cidade com pouco mais de 1.500 habitantes, onde presenciaram uma mulher de 85 anos comprando duas pizzas em uma das lojas robotizadas de Le Gouic.

 

Unidade PizzaForno instalada ao lado de estabelecimento comercial – Foto: QSR Magazine – Reprodução

 

Segundo Tomlin, naquele momento entenderam que poderiam mudar o cenário do mercado de Pizzas em todo o mundo, caso construíssem uma marca utilizando aquela tecnologia.

 

Os sócios obtiveram os direitos da invenção na América do Norte e retornaram ao Canadá com parte da equipe culinária de Le Gouic para formular receitas e realizar pesquisas de desenvolvimento do produto. Foram 8 meses de trabalho, incluindo a criação da marca PizzaForno.

 

Depois de lançar com sucesso em “mercados teste” na cidade de Toronto, Tomlin e Moyer começaram o plano de expansão no Canadá no formato de licenciamento com operadores independentes. Atualmente existem mais de 40 quiosques na América do Norte, incluindo cinco unidades em Michigan nos EUA.

 

Foto: QSR Magazine – Reprodução

 

Nos últimos seis meses o plano estratégico para o mercado americano foi finalizado e já existem compromissos para 200 localidades entre o sul da Califórnia, Louisiana e Flórida. O abastecimento das unidades é realizado pela Sysco, multinacional especializada na comercialização, distribuição e abastecimento de negócios em alimentação.

 

“Acho que a América do Norte está muito atrasada para o jogo da comida robótica. Quero dizer, olhe para PizzaForno – a tecnologia existe na França há quase dez anos. COVID, a falta de mão de obra, as pessoas não querem ficar 10 minutos esperando nada. Todas essas coisas resultam em um serviço super-rápido e super conveniente. É para lá que acho que todo mundo deve ir.” comenta Tomlin.

 

Quando os clientes chegam ao quiosque PizzaForno são recebidos por uma tela de toque de 32 polegadas onde podem escolher a pizza e a opção de pagamento. Assim que o pedido é recebido, um braço robótico remove uma pizza da seção fria, abre a tampa e a coloca em um forno de convecção, onde assa entre 90 a 120 segundos. A pizza então cai em uma fenda acessível aos clientes, finalizando um processo que leva cerca de três minutos. Além disso, o cliente tem a opção de escolher uma pizza fria e assá-la em casa.

 

Foto: QSR Magazine – Reprodução

 

“Nosso objetivo é elevar os padrões das redes nacionais, como Domino’s e Little Caesars, e poder competir de perto com a pizzaria artesanal local em todas as cidades da América”, acrescenta Tomlin.

 

A instalação do quiosque demanda apenas de 6 a 8 metros quadrados e a montagem é realizada em seis horas. Os quiosques vêm com tecnologia habilitada para web que permite aos licenciados acompanharem remotamente os dados de vendas de suas unidades em tempo real, assim como informações sobre o estoque e casos de problemas mecânicos.

 

Em breve, os pedidos online estarão disponíveis através do aplicativo PizzaForno, e a entrega de comida está sendo testada em Toronto através do Uber Eats.

 

Os quiosques geralmente ficam em áreas de alto tráfego, como hospitais e campus universitários. Em média, cerca de 35 pizzas são encomendadas por dia, o que significa que os fornos devem ser recarregados a cada dois dias.

 

Embora a empresa não tenha feito muito marketing para garantir licenciados, ela recebe cerca de 200 consultas por semana por meio de mídias sociais e comunicados à imprensa.

 

Fonte: QSR Magazine

 

Na editoria News da Rede Food Service você fica sabendo do que acontece no segmento de alimentação fora do lar ao redor do mundo.

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Marcela Silveira: a ‘nutrichef’ multitarefa que trabalha com pesquisa e desenvolvimento

Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?