in

Comer no seu Restaurante é mais saudável que comer em casa?

por Renata Shimizu, articulista da Rede Food Service

Foto: Getty Images

 

A pandemia impulsionou o crescimento do mercado de Saúde & Bem-estar de forma geral. Dentro da saudabilidade em alimentação, estamos saindo daquele ciclo focado em redução/substituição de açúcares, sódio e gorduras nos ingredientes (não minimizando a importância disso!), e olhando mais para o alimento e suas funcionalidades, como as imunológicas e aquelas que podem trazer benefícios emocionais e mentais ao consumidor.

 

E como isso afeta o setor do food service? Como estamos olhando para este movimento?

 

Quero compartilhar um dado de mercado que me chamou atenção recentemente, para que possamos refletir juntos e gerar alguns insights.

 

Numa pesquisa da STATISTA realizada em diferentes países e publicada em julho/2021,  foi solicitado aos participantes completar a sentença abaixo:

“Em geral, comparado com comida feita em casa, você diria que comida consumida NUM RESTAURANTE É…”

 

O gráfico abaixo apresenta o % das respostas: “MAIS saudável” e “MENOS saudável”.

*Base: USA (n=763), Brazil (n=774), China (n=752), Germany (n=760), India (n=726), Mexico (n=753).

 

Em comparação com os outros países, o Brasil se destaca com o maior gap de percepção saudável entre comida feita em casa x restaurante.

 

Embora a pesquisa não traga detalhes sobre os porquês destes gaps, fiquei reflexiva com esses números… fiz um recorte de pensamento e listei algumas hipóteses:

  • Desde o início da pandemia as pessoas passaram a cozinhar mais em casa.
  • Cozinhar em casa tem a ver com “saber o que se coloca na receita”: ingredientes, quantidades e modo de preparo que você considera mais saudáveis.
  • “Saber o que tem na receita” tem a ver com transparência.
  • “Transparência” gera segurança e confiança.

 

Hummm….  seria o fator transparência que levaria a acreditar que comida em casa é mais saudável que em restaurante?  O que tem em casa que não tem no restaurante???

 

Vamos voltar para o GAP Brasil mostrado na pesquisa e nos perguntar:

O quanto estamos sendo transparentes com nossos clientes? Eles sabem o que têm nas nossas receitas? Quais são os ingredientes utilizados? De onde eles vêm? São naturais, frescos ou artificiais? Eles contribuem para um planeta melhor? E o modo de preparo da cozinha, é visível para quem quiser ver? …

 

Enfim, são diversos pontos a serem analisados, e que cabem ou não nas diferentes operações. A reflexão é individual, caro leitor.

 

Mas para aqueles que se interessam pelo tema saudabilidade, e se sentem responsáveis em entregar mais saúde às pessoas através do food service, a minha mensagem de virada de ano é:

repense com carinho a estratégia do seu negócio, faça algo melhor para as pessoas e para o planeta em 2022, seja mais transparente, transmita mais segurança e confiança ao cliente… gere a percepção de que comer no seu restaurante PODE SIM ser uma opção mais saudável que comer em casa.

 

Feliz Ano Novo para todos nós!

 

 

 

Sobre a Autora

Renata Shimizu é engenheira de alimentos, pós-graduada em gastronomia e mestranda em análise sensorial. Com 20 anos de experiência no food service em P&D/Qualidade, atua na interface entre a indústria de alimentos e a operação de restaurantes. Renata trabalhou em grandes empresas do ramo como o Parque Hopi Hari, Yum! Restaurants (KFC/Pizza Hut) e Galunion Consultoria. Atualmente presta serviços especializados em P&D/QA para players da cadeia do food service .

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Mercado de panificação em 2022: quais são as tendências e dicas de atuação? A Rede Food Service te conta!

‘Cozinha Vegana’ apresenta especial de Verão no Woohoo