in ,

HFN – Hotel & Food Nordeste 2021 apresenta espaço com inspirações que prometem marcar o mercado de panificação no próximo ano

Liderado pela arquiteta de panificação Daniele Vasconcelos, espaço “Padaria do amanhã” traz o conceito europeu de panificação com ampla vitrine e mesas expositoras com diferentes opções de pães

A Padaria do Amanhã compõe um dos espaços da HFN – Hotel & Food Nordeste e da Super Mix, que acontecem simultaneamente no Centro de Convenções de 3 a 5 de novembro, das 15h às 21h - Foto: Getty Images

 

A HFN – Hotel & Food Nordeste 2021, a melhor e mais completa feira de hospedagem e alimentação fora do lar do Nordeste, começa hoje e traz inspirações do que promete marcar diferentes segmentos de atuação no próximo ano.

 

Se você e empresário ou profissional do segmento de panificação, vale a pena visitar o espaço “Padaria do Amanhã” que estará montado no evento.

 

Liderado pela arquiteta de panificação Daniele Sarmento Figueiroa de Vasconcelos, de 44 anos, o espaço trará o conceito europeu de panificação, com ampla vitrine e mesas expositoras e diferentes opções de pães, dos tradicionais aos rústicos e artesanais, baguetes e pães de origem alemã e italiana. “Minha inspiração este ano foram os pães e a natureza para trazer esse conforto de respirar por causa das máscaras que estamos utilizando sempre devido à atual pandemia de Covid-19. Então, é para a gente sentir que está respirando, vivendo e trazendo um pouco dessa calma, do verde, para quebrar as cores mais quentes do ambiente. Quero que o visitante sinta como se estivesse em um passeio, tire fotos e que possa conhecer a variedade de pães artesanais oferecidas por Fred, do Padeirão. A principal inspiração da Padaria do Amanhã 2021, realmente, é o produto, os pães, porque eu quero que as padarias foquem na diversidade que existe no atual mercado. Além do produto, a inspiração também está no ambiente instagramável. E, para criar cenários, é preciso uma boa arquiteta e um bom escritório para conseguir ter esse olhar e que todos os ângulos sejam priorizados como fonte de captação de cliente. Hoje em dia, um ambiente instagramável não precisa ter nada de outro mundo, basta criatividade, acertar na arquiteta (risos), no que está querendo passar para que as pessoas sintam o valor daquela arte, daquele adesivo e sintam o valor do espaço. Às vezes, as pessoas carregam tanto e esquecem que a leveza do espaço é o que vai enaltecer mais o produto, pois, quanto mais você polui o ambiente, menos a pessoa vê o produto. A inspiração deste ano, então, é trazer um pouco da natureza, pois eu quis trazer um pouco desse ambiente por causa de tudo que todo mundo passou esse ano. Todo mundo preso em casa, por causa da pandemia. Assim, quis dar essa liberdade, deixando o ambiente mais amplo. Por isso, coloquei menos móveis, tornando uma área mais de convívio para que as pessoas possam circular, tirar fotos e, na parte do produto, possam, realmente, focar nele. Com isso, estou valorizando as cores para que sejam mais fortes e componham um cenário para valorizar os produtos. Nos espaços que eu faço, sempre me preocupo muito e, nesta edição, não vou conseguir fazer o salão todo, a padaria completa, o que é apenas um pontinho do que eu posso fazer para qualquer estabelecimento comercial. No entanto, a minha prioridade é focar no aspecto de liberdade”, adianta, em detalhes, a arquiteta de panificação em entrevista à nossa reportagem.

 

A origem do espaço Padaria do Amanhã

 

De acordo com Vasconcelos, a ideia do espaço Padaria do Amanhã surgiu “da certeza que eu poderia fazer certo. Em uma edição da feira, transformei um hotel em três ambientes diferentes: praia, campo e urbano, sendo um ambiente em cada dia de exposição. A partir daí, tive a certeza que, se em hotel, que é não o meu foco e que não é na área de hotelaria onde eu quero ser reconhecida, eu fiz isso, claro que também faria a minha paixão por padaria fazer acontecer. Assim, eu disse para Carol Baía, da Insight Feiras & Negócios: ‘olha Carol, se eu consegui fazer esse hotel virar hotel urbano, praia e de cidade em três dias, eu também consigo fazer uma padaria onde o pão sai na hora! E eu quero, com todos os meus parceiros, fazer uma padaria, quero ser vista na feira como arquiteta de panificação e eu quero fazer uma padaria do amanhã’. Então, o pessoal da feira deu o nome de Padaria do Amanhã e, com isso, desde então, nos organizamos para fazer a marca e estamos juntos fazendo, nesse segundo ano, acreditando que esse amanhã vai ser sempre amanhã”, relata.

A arquiteta de panificação acrescenta que “eu criei a Padaria do Amanhã e, para rechear, a feira deu a ideia do Padeirão estar comigo, que é o que dá vida à estrutura de salão que eu monto sempre. Como o meu dia a dia é envolvido com parceiros, tento sempre trazê-los para que eles tenham também a oportunidade de se mostrar ao mercado de uma forma integrada para que possamos mostrar e alcançar meu público e que todo mundo cresça. A ideia da Padaria do Amanhã é montar uma padaria para mostrar que, quando uma pessoa realmente foca, consegue concluir. Todos os panificadores conseguem fazer uma obra de uma forma mais rápida, se executarmos um planejamento bem direitinho. Nós passamos aproximadamente oito meses no planejamento para montar tudo em três dias. Mas, se não tiver uma equipe de engenharia por trás, com cronograma e comprometida, nada sai. Então, como a HFN, tudo no final dá certo, mas eu, em especial, na Padaria do Amanhã, conto com os parceiros que estão muito envolvidos e comprometidos de forma extremamente funcional. Eu escolho o tema e consigo fazer com que ele, realmente, aconteça, mas dentro da realidade daquele ano. E, neste ano, será ‘o foco no produto’, valorizando muito o pão e o ambiente instagramável, trazendo bem o verde e ambientes que você possa fotografar”, convida.

 

Perfil de visitantes da Padaria do Amanhã

 

Sobre o perfil de visitantes da Padaria do Amanhã, Vasconcelos avalia que será composto por “todo mundo que se identifica, que é voltado para área de alimentação e que gosta de um ambiente bonito. Quem gosta de pães e, além de vender os pães, possa vender vinhos (tem o expositor de vinhos) e que aproveite o espaço de convívio (cafeteria). Fazemos tudo para pessoas que se interessem por isso tudo e que tenham algum ambiente comercial que se encaixe. Todos serão bem-vindos e vão adorar, porque, além de se sentir bem, irão estar enriquecendo seu conhecimento e repensando o aspecto da sua padaria, o que vai dar vontade de reformar também”, acredita.

 

Daniele Vasconcelos, arquiteta de panificação – Foto: Divulgação

 

A arquiteta da panificação complementa que, de uma maneira geral, o espaço como um todo “se caracteriza, realmente, no amanhã, em trazer novidades, utilizando o conceito de que o amanhã pode ser o ano que vem ou, realmente, amanhã e, para isso, temos o hoje para fazer o nosso melhor. O nome e a marca foram pensados como em algo contínuo e conectado para fazer a diferença na feira. O que, atualmente, caracteriza a Padaria do Amanhã é uma padaria em que o panificador e o dono de mercado, já que a gente juntou com a Super Mix, andando pela feira, veja que é possível fazer uma padaria em três dias, desde que planeje e esteja fechado com o objetivo. Ou seja, o que mais caracteriza a Padaria do Amanhã é essa feira incrível ceder para uma arquiteta um espaço de 230 metros, o que para mim é um presente. Então, caracteriza também uma oportunidade de mostrar nosso trabalho de uma forma muito real. Com isso, eu faço questão de ter o cheiro do pão saindo na hora e estou com a Padeirão. Hoje, eu faço acontecer uma padaria de verdade em três dias e ainda não consigo mostrar a área de produção. No entanto, o meu foco é dizer aos visitantes que, quando você sente o cheiro do pão, a venda é garantida, pois o cliente é induzido pelo cheiro”, sinaliza.

 

Mudanças na Padaria do Amanhã devido à continuidade da pandemia de Covid-19

 

Vasconcelos relata também que, devido à continuidade da pandemia de Covid-19, este ano, ela precisou implantar algumas mudanças no planejamento da Padaria do Amanhã, mas nada que impacte a sua relevância junto ao visitante da HFN – Hotel & Food Nordeste. “Na última HFN – Hotel & Food Nordeste, no ano retrasado, com a quantidade de gente circulando pelo espaço, ele ficou pequeno, lotou. Então, o que mudou na Padaria do Amanhã com a pandemia de Colvid-19 foi em relação ao espaço físico, pois o deixei um pouco mais livre, tirei os produtos de bebidas, laticínios e congelados, retirei também a gôndola de mercearia, o self-service e foquei, de verdade, no produto este ano para que a gente tivesse um ambiente mais leve, sem tanta gente. O meu foco este ano é me mostrar como uma arquiteta voltada para a área da alimentação, que é capaz de atender, entender e resolver o problema de todos. Este ano, eu quis, realmente, dar mais ênfase na parte dos pães. Então, vai ter um paredão com itens artesanais, especiais, tipos diferentes para mostrar as variedades que a Padeirão consegue oferecer de produtos para os panificadores. A adega de vinhos, à parte, também entra como um dos nossos focos, os pães e os vinhos, na verdade. Afinal, hoje, as pessoas, depois da pandemia de Covid-19, estão tendo necessidade de dizer que estão vivendo e que estão fora de casa, estão curtindo dia e noite, assim, até a feira e a própria padaria pode ser uma forma da pessoa curtir, sair com a família e tomar um café, comprar um vinho para o final de semana, por exemplo. E isso tudo é registrado, então, quando registrado, se o meu ambiente tem identidade, o público fica sabendo onde eu estou apenas pelo revestimento e pelo diferencial que tem no meu espaço. Hoje em dia, qualquer padaria pode ser reconhecida no fundo de uma foto e isso traz visibilidade/credibilidade para o cliente”, ressalta.

 

Planos para o projeto Padaria do Amanhã

 

Sobre os seus atuais planos para o projeto da Padaria do Amanhã, Vasconcelos revela que espera que, “todos os anos, enquanto houver a feira, nós estejamos lá participando. Espero que eu seja reconhecida cada vez mais como arquiteta voltada para essa área de alimentação, porque sou apaixonada por panificação e por tudo o que um ambiente pode causar no dia a dia da família. Afinal, a padaria pode ser, realmente, um momento em que a pessoa saiu de casa, está pensando na família e, na minha mente, esse espaço tem que ter muita leveza, alegria e foco no produto. Hoje, eu atendo clientes do Macapá e Belo Horizonte, então, quero que a feira traga pessoas do Brasil todo e para que isso aconteça todos os stands precisam se empenhar da melhor forma. Assim, o que eu espero para HFN 2021 é que cada um dos participantes, realmente, se empenhe para atrair pessoas do país todo e que não fique apenas ‘do Nordeste’”, aguarda.

 

Dicas de uma arquiteta de panificação

 

Por fim, como um presente aos empreendedores da área de panificação que acompanham a Rede Food Service e não poderão estar presentes na HFN – Hotel & Food Nordeste 2021, Vasconcelos dá dicas de uma arquiteta de panificação de como melhorar a sua atuação e, consequentemente, os resultados das padarias, inclusive, as recém-inauguradas. “A dica que eu dou para quem está começando é estar junto das pessoas certas, entender bem o mercado que se quer estar, porque não é fácil e nem brincadeira, você está lidando com o público, está mexendo com alimentação, tem que, realmente, priorizar. Eu acredito que pensar no funcionário como cliente, passando os valores do dono e fazendo com que haja menos demissões e troca de equipe, é uma maneira de gerar mais fidelidade no atendimento, na própria continuidade da história e do dia a dia do estabelecimento. Assim, é possível saber que os clientes sempre serão atendidos da mesma forma por qualquer pessoa, porque um funcionário contagia o outro e, nesse espaço, vai ter mais harmonia, o que deixa a identidade muito mais bonita. Até porque, o cliente vendo o funcionário combinando com o produto, tudo é imagem e programação visual e o marketing está, cada vez mais, inserido nos meus projetos, com fotos, frases de efeitos e marcas, fazendo o diferencial de forma econômica”, aponta.

 

A arquiteta da panificação indica ainda que “no meu ponto de vista, o segredo do sucesso na área do food service é pensar mais no cliente, mas, principalmente, nos funcionários. Um funcionário com o ambiente bem trabalhado, com conforto, se sente muito mais valorizado, uma vez que aquele espaço que está sendo criado para o cliente é, principalmente, o cenário que o funcionário está todos os dias, sendo muito importante que ele sinta orgulho de estar trabalhando naquele local. Um funcionário satisfeito vai a mil por hora, além de ser um ganho muito maior na visibilidade, marketing e divulgação da sua empresa por serem as pessoas que mais sabem da intimidade do dia a dia e que podem exaltar ou acabar com o comércio. Então, cabe ao dono mostrar os seus valores e captar seus funcionários certos”, aconselha.

 

E aí? Gostou de saber mais sobre a Padaria do Amanhã e o que está por vir por meio da HFN – Hotel & Food Nordeste 2021? Então, continue nos acompanhando, pois nós da Rede Food Service estaremos presentes na feira, inclusive, como curadores do Gourmet Experience, um evento realizado anualmente pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel/PE), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Pernambuco (Sebrae/PE) e a Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (Ad Diper).

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Pesquisa da Ticket indica que a culinária brasileira é a preferida dos trabalhadores

Gourmet Experience começa hoje e movimenta a Hotel & Food Nordeste 2021