in

Bebida na Porta: conheça a startup que vende bebidas em domicílio aliando cardápio completo e preço justo

Criada em 2019 com o objetivo de entregar bebidas alcoólicas e não alcoólicas na porta da casa de seus clientes em minutos, empresa atua por meio de 4 dark stores e deve abrir mais 12 até o final do ano

Jessica Gordon, fundadora e CEO da Bebida na Porta - Foto: Divulgação

 

De acordo com levantamento realizado pela Euromonitor International, empresa de pesquisa de mercado com sede em Londres, na Inglaterra, as vendas de bebidas no Brasil cresceram 5,3% em 2020, na comparação com 2019, na contramão da crise econômica e social desencadeada juntamente com o começo da pandemia de Covid-19. Além disso, segundo dados de um estudo feito pela Kantar, outra companhia estrangeira de pesquisa, o percentual de brasileiros com mais de 18 anos que consumiu cerveja em casa atingiu marca recorde de 68,6% também durante o ano passado.

 

Frente a esse cenário de expansão do mercado nacional de bebidas, muitas empresas do ramo conseguiram transformar crise em oportunidade, inclusive, ampliando e personalizando os seus serviços de acordo com os novos hábitos de consumo do brasileiro quando o assunto é bebida. Prova disso é a Bebida na Porta, uma startup que vende bebidas em domicílio aliando cardápio completo e preço justo. Ou seja, tudo o que o cliente mais aprendeu a apreciar desde o advento da pandemia de Covid-19, não é mesmo?

 

Jessica Gordon, fundadora e CEO da Bebida na Porta – Foto: Divulgação

 

Criada em 2019 com o objetivo de entregar bebidas alcoólicas e não alcoólicas na porta da casa de seus clientes em minutos, a Bebida da Porta, hoje em dia, atua por meio de 4 dark stores, mas deve abrir mais 12 até o final deste ano. “Comecei a Bebida na Porta em 2018, mas a operação iniciou mesmo em janeiro de 2019. A ideia da empresa começou uma vez que eu mesma usava, com frequência, aplicativos de conveniência para comprar bebidas. Com isso, além de pagar caro por isso, me deparava com cardápios limitados para o perfil de compra de emergência e não com o objetivo de ter clientes recorrentes, cardápio completo e preço justo. Condições essas que são o objetivo da Bebida na Porta e o motivo pelo qual ela foi fundada. O negócio começou na garagem da minha casa, mas, atualmente, estamos com 4 dark stores e abrindo mais 12. Com a pandemia de Covid-19, as pessoas, de forma geral, tiveram que aprender a consumir de forma diferente, usando soluções como e-commerce e delivery. Com isso, a Bebida na Porta cresceu de forma mais rápida do que prevíamos. Por outro lado, o nosso modelo de negócio já nasceu com a proposta de ser 100% delivery, diferente de restaurantes e comércios que tiveram que se adaptar a esse novo formato”, revela Jessica Gordon, de 38 anos, pedagoga de formação, fundadora e CEO da Bebida na Porta, em entrevista exclusiva à Rede Food Service.

 

O que é a Bebida na Porta?

 

Na definição de Gordon, a Bebida na Porta “é uma startup que iniciou sua operação em 2019, com o objetivo de entregar bebidas alcoólicas e não alcoólicas a preço justo e não de conveniência na porta da casa de seus clientes em minutos. Desde o início da operação, já foram entregues mais de 200 mil pedidos para consumidores finais localizados em São Paulo, capital, onde pelo menos 60% deles são recorrentes. Atualmente, a empresa está em expansão e deve atender, em breve, clientes pelo Brasil a fora. A proposta é que a Bebida na Porta ofereça aos seus clientes todos os tipos de bebidas que as famílias já consomem semanalmente, como água, suco, cerveja e destilados em geral. Para isso, o catálogo de produtos é elaborado com o intuito de que os nossos clientes não precisem mais perder tempo em supermercados e carregando peso com as bebidas consumidas no dia a dia”, apresenta.

 

 

A CEO complementa que “somos uma startup com o propósito de oferecer um produto e serviço eficiente em um momento em que a forma de consumo vem se transformando. Optamos por operar em formato de dark stores, estrutura lean e preparada para alto volume. Por exemplo, uma loja chega a fazer mais de 500 pedidos por dia com apenas dois colaboradores e isso porque investimos tempo e dinheiro estruturando operações com automação de sistemas e integrações entre plataformas que simplificam a execução, além de termos o estoque otimizado e sem produtos long-tail, o que facilita o picking e refrigeração dos produtos. Como startup, conseguimos, de forma mais rápida, testar diferentes modelos de negócios e priorizar parcerias que possibilitem a velocidade de expansão esperada para a Bebida na Porta”, explica.

 

Cardápio e perfil de cliente

 

Segundo Gordon, o cardápio da Bebida na Porta “foi montado com o objetivo de atender todas as categorias de bebidas e não somente produtos alcoólicos. Com isso, os nossos clientes não precisam mais perder tempo em supermercados ou carregando bebidas. Porém, os nossos produtos mais vendidos ainda assim são bebidas alcoólicas, mas, conforme o cliente passa a ser recorrente, o perfil de carrinho altera com bebidas como água, suco e refrigerante, por exemplo. Hoje, pelo menos 60% dos nossos clientes são recorrentes”, destaca.

 

Foto: Divulgação

 

Sobre o detalhamento do perfil de quem compra hoje em dia por meio da Bebida na Porta, a empresária elenca também que “uma vez que pelo menos 60% dos nossos clientes são recorrentes e temos um grande desafio de atrair novos clientes, já que, quando conhecem a Bebida na Porta, logo passam a comprar semanalmente, os nossos consumidores usam a empresa frequentemente por optarem por não perder mais tempo em supermercado e sim ganhar tempo pedindo suas bebidas de forma simples, cardápio completo, preço justo, bebida gelada e entrega rápida em minutos”, reforça.

 

Funcionamento

 

Conforme Gordon, a Bebida na Porta funciona, majoritariamente, “em São Paulo, capital e região metropolitana, fazendo 15 mil pedidos mês e atendendo consumidores finais e responsáveis pela cadeia de ponta a ponta. Mas, neste mês de novembro, já iniciaremos mais 12 operações no formato de dark stores e atenderemos diversas cidades pelo Brasil, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, em Minas Gerais, Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, Curitiba, no Paraná, e Florianópolis, em Santa Catarina”, divide.

 

 

É válido pontuar que a startup possui parceria estratégica com o iFood e tem um aplicativo próprio. “Estamos em um momento extremamente desafiador, já que o modelo está consolidado e pronto para escalar. Ao começar as nossas 12 novas operações pelo Brasil, a nossa maior missão é manter o nível de serviço esperado pelos nossos clientes. Não é à toa que pelo menos 60% dos clientes que conhecem a Bebida na Porta se tornam clientes recorrentes”, garante a empresária.

 

Trabalho em equipe

 

Gordon partilha ainda que a ideia da Bebida na Porta também é fruto das inspirações de vida que possui e que lhe garantem um trabalho em equipe junto à sua startup. “Eu venho de uma família onde cresci vendo meu pai, que tinha um perfil inovador e extremamente visionário. Desde o início da startup fundada pela a minha família (ícone de marca de jeans e pioneira nos anos 70) e, depois, por trazer para o Brasil marcas importantes, como New Balance, Wilson e Jansport em uma época em que para muitos seria inacessível. Não é à toa que meu marido e irmã também são empreendedores e inspirações para mim. Eu comecei a Bebida na Porta bootstrapped e com capital próprio, o que ajudou a estruturar operações que atingissem rentabilidade de forma rápida, sendo que as nossas últimas duas dark stores atingiram breakeven em três meses. Apesar de ter começado a Bebida na Porta como única fundadora, tenho parte da equipe de atuais 25 colaboradores que está comigo desde os primeiros meses e que contribui para chegarmos até aqui. Meu marido e irmã, por exemplo, foram fundamentais também, não só por serem empreendedores, mas por estarem presentes desde reflexões estratégicas, até em momentos de vulnerabilidade”, agradece.

 

Segredo do sucesso no mercado de bebidas

 

Por fim, a empresa aconselha que o segredo do sucesso no mercado de bebidas está atrelado “a ter um perfil que exige foco em execução. Afinal, tirar uma ideia do papel não é simples e muito menos estável. É preciso ter resiliência, pois, sem isso, você, certamente, desistirá ou não dará certo. E também é necessário determinação e porque não dizer uma certa obstinação pelo negócio seja ele qual for. Estruturar um negócio para delivery, por exemplo, é completamente diferente de montar um negócio tradicional, como loja ou restaurante. Dito isso, o que indico é focar em processos que viabilizem o modelo de delivery. Além disso, pensar em um modelo de negócio que exige frentes completamente diversas, desde tecnologia, até logística pura”, indica.

 

E aí? Gostou de saber como as empresas do ramo de bebidas estão trabalhando atualmente? Esperamos que sim e que conhecer a startup Bebida na Porta tenha lhe servido de inspiração. Afinal, essa é uma das nossas missões. Por isso, continue nos acompanhando!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

O novo mercado do panetone

Restaurantes: levem sua marca no digital tão a sério quanto no físico!