in

Rabo de galo: o coquetel de boteco e balcão de padaria que já é o mais consumido do Brasil

Composto por apenas cachaça e vermute tinto, o drink que foi criado em ambientes boêmios mais simples e baratos ganhou outro patamar no decorrer dos anos, tendo hoje lugar cativo em badalados bares pelo país a fora

Mestre Derivan,, uma das maiores referências na coquetelaria brasileira - Foto: Divulgação

 

Cachaça e vermute tinto. Esses são os ingredientes originais do coquetel que já é o mais consumido no Brasil: o chamado Rabo de Galo, o drink que nasceu em ambientes boêmios mais simples e baratos, como os famosos botecos e balcões de padaria, mas que ganhou outro patamar no decorrer dos anos, tendo hoje lugar cativo em badalados bares pelo país a fora.

 

A prova clara da valorização do Rabo de Galo com o tempo é o fato de que a mistura alcoólica, inclusive, é a personagem principal de um campeonato chamado ‘Concurso Nacional de Rabo de Galo’, que foi idealizado por Derivan Ferreira de Souza, conhecido como Mestre Derivan, uma das maiores referências na coquetelaria brasileira e o renomado bartender Daniel Júlio. Juntos, eles pretendem elevar o Rabo de Galo a níveis antes inimagináveis, com ênfase em sua inclusão como o segundo coquetel brasileiro à base de cachaça na lista da International Bartenders Association (IBA), que se trata de uma seleta lista com quase cem coquetéis considerados os clássicos do mundo e tem como base diversos destilados. Sendo válido ressaltar também que o Brasil já faz parte dessa seleção com a conhecida Caipirinha.

 

Mestre Derivan em premiação do Concurso Nacional de Rabo de Galo – @rabodegalo.oficialbrasil

 

Em entrevista exclusiva à Rede Food Servive, Mestre Derivan revela que “sou o idealizador do grande Concurso Nacional do Rabo de Galo, que já está na sua terceira edição. Eu tenho divulgado o Rabo de Galo a nível internacional, já conseguido, inclusive, publicações no DIfford Guide, na Drinks International, junto aos aproximadamente oitenta países membros da IBA, pela qual sou formado como barman. O Rabo de Galo sempre será o mais consumido no Brasil. Para se ter uma ideia do seu consumo, o Brasil produz, hoje, um bilhão e trezentos milhões de litros de cachaça por ano e, deste montante, 65% é consumido em forma de Rabo de Galo e suas variações. Atualmente, esse drink já deixou de ser só um drink popular e entrou nos cardápios de bares mais sofisticados do país e de vários outros bares do mundo”, sinaliza.

 

 

A origem do Rabo de Galo

 

Conforme Mestre Derivan, o Rabo de Galo “foi criado para incrementar uma marca de vermute italiana que associou sua bebida tradicional ao cuidado de entender como o brasileiro bebia sua cachaça e apenas seguiu o ritual. Coube, então, a Multividro, produtora de copos, a criação do copo oficial para a bebida, sendo que esse copo tinha marcas que destacavam onde ia o vermute e a cachaça. Assim, bastava só o batismo. Então, a sugestão foi Cocktail, que foi prontamente contestada, uma vez que teria que ser em português. Assim, foi só traduzir e surgiu o Rabo de Galo”, conta.

Rabo de Galo do @soulbotequim por @roytercorreia – @rabodegalo.oficialbrasil

 

Thiago Gadelha, bartender e chefe de bar complementa que “o Rabo de Galo foi criado pela Família Cinzano, em meados dos anos 50 e com o objetivo de popularizar o consumo do vermute entre os brasileiros. E, com uma origem tão simples, ele não poderia levar outro nome. Afinal, Rabo de Galo é a tradução ao pé da letra da palavra cocktail”, explica.

 

Sabe-se ainda, em resumo, que o Rabo de Galo é um verdadeiro patrimônio cultural do Brasil, com mais de 60 anos de história. Além disso, há relatos de que a sua popularização começou na cidade de São Paulo, capital, juntamente com a chegada de uma fábrica de bebidas nos anos 50. Dizem que essa tal indústria queria atender os anseios alcoólicos dos imigrantes italianos. Porém, tais imigrantes ficaram mais encantados pela cachaça e, com isso, não bebiam mais o vermute, o que incentivou a tentativa de misturar as duas bebidas. Nesse cenário, foi criado o copo personalizado para o drink, segundo apontado pelo Mestre Derivan, e que tinha não só a marcação para as duas doses das bebidas que o compõem, como também um fundo mais grosso para aguentar a batida no balcão, na volta do conhecido ‘gole’.

 

Composição simples, mas marcante

 

Quando foi criado, o Rabo de Galo era composto por exatamente dois terços de cachaça para um terço de vermute. Mas, ao longo dos anos, a receita do coquetel foi sendo modificada e incrementada, assim como deixou de ser servida apenas no seu copo original com marcações e funcho grosso. E, pelo jeito, tais incrementos só ajudaram na fama e aumento do consumo do drink. “Somente cachaça e vermute tinto já fazem um bom Rabo de Galo. No entanto, hoje, para atingir um equilíbrio melhor, adicionamos também um bitter a base de alcachofra, trazendo uma nota amarga em contraste com o doce herbal/aromático do vermute”, divide Gadelha, que considera o coquetel “potente, de muita personalidade e, ao mesmo tempo, bastante versátil para variações“, afirma.

 

Rabo de Galo do @sylvesterbarsp por @leone_silva97 – @rabodegalo.oficilabrasil

 

Mestre Derivan, por sua vez, elenca que “o Rabo de Galo é um ícone da coquetelaria brasileira. É um grande clássico pela sua estrutura, característica essa presente nos grandes cocktails. É uma mistura simples, mas de aromas e sabores muito complexos e agradáveis, lembrando um Manhattan. Os seus principais ingredientes são a cachaça e o vermute rosso. No entanto, já existem novas releituras, inclusive, infinitas. Porém, vale destacar que todas levam a nossa cachaça”, ressalta.

 

Importância nacional e internacional

 

Para o Mestre Derivan, o Rabo de Galo possui importância nacional e internacional. “É um drink muito interessante nos aromas e sabores e está impregnado de histórias fantásticas, estando presente na memória dos consumidores brasileiros. Quando se fala de Rabo de Galo, logo vem o comentário de alguém da família que já bebeu ou bebe, como avô, pai e/ou tio. Enfim, é uma bebida da família brasileira! No cenário nacional, é um grande resgate de cocktails populares e o mais consumido no Brasil, já estando presente nos bares mais sofisticados. No cenário internacional, é comparado com a caipirinha, um cocktail brasileiro entre os mais famosos e clássicos mundiais. Isto é, é muito importante para o Brasil, para os bartenders brasileiros e para toda a indústria de cachaça”, avalia.

 

Gadelha acrescenta que o Rabo de Galo é relevante por “já podermos vê-lo no cardápio de muitos bares de alta coquetelaria. Isso mostra a consciência de quem está no ramo em valorizar o nosso produto e mostrar que temos muita cachaça de qualidade. No fim, é um trabalho feito aos poucos em mostrar para o próprio brasileiro que temos produtos a altura de qualquer outro mundo a fora”, acredita.

 

Mercado em expansão frente à pandemia de Covid-19

 

Em relação ao mercado de Rabo de Galo frente aos efeitos sociais e econômicos da atual pandemia de Covid-19, Mestre Derivan assinala que “a história tem nos dado a sinalização e isso é histórico. Quanto mais nos sentimos tristes e com dificuldades, mais buscamos formas de ter algum caminho de molhar e afogar as nossas mágoas. Por isso, cada vez mais, a indústria de cachaça tem grandes índices de crescimento, com ênfase para o surgimento de novas marcas e o registro de aumento de consumo. Ou seja, o Rabo de Galo está e continuará em alta”, prevê.

 

Participantes do Concurso Nacional de Rabo de Galo – @rabodegalo.oficialbrasil

 

Por fim, Gadelha divide que “hoje, vemos o mercado de Rabo de Galo em uma boa expansão. Afinal, atualmente, já há muitos bares de alta coquetelaria aderindo a ele ao cardápio, cada um com sua versão e isso é uma grande vitória na divulgação da nossa cachaça. Com toda a certeza, a pandemia de Covid-19 afetou toda a cadeia de bares e restaurantes como um todo. Sim, os danos são imensuráveis, com bares fechados e muitas pessoas sem poder trabalhar. Entretanto, seguimos acreditando e trabalhando para que esse retorno traga muitas coisas boas e que possamos continuar difundindo nossa coquetelaria mundo a fora”, planeja.

 

 

E aí? Saber mais sobre o tradicional drink Rabo de Galo te deu aquela vontade de experimentar e/ou também adicionar o coquetel no cardápio do seu estabelecimento de comida fora do lar? Então, confira, abaixo, uma receita que nós da Rede Food Service separamos especialmente para te dar aquele pontapé inicial.

 

Como fazer um Rabo de Galo?

Ingredientes

  • 50 ml de cachaça
  • 20 ml de vermute
  • Gelo ao gosto

 

Modo de preparo

  • Coloque a cachaça, o vermute e o gelo em um copo de coquetel baixo, semelhante ao de whisky.
  • Em seguida, basta só mexer até resfriar e degustar!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

‘Hey, amigão!’, ‘Oh, camarada!’, ‘E aí, campeão?’, ‘Chefia!’… Hoje é o dia do Garçom!

Liv Up cria movimento que questiona comida artificial e ultraprocessada