in

Liv Up cria movimento que questiona comida artificial e ultraprocessada

Com projeções pela cidade de São Paulo, celebridades e formadores de opinião, uma das ações de guerrilha da foodtech já foi realizada

Foto: Divulgação

 

Questionar o modelo convencional e convidar toda a indústria de alimentos artificiais e ultraprocessados a repensar como tem atuado para mudar isso. Esse é o foco de um novo movimento criado pela Liv Up, foodtech que comercializa comida natural para diversos tipos de necessidades e nasceu com o propósito de conectar as pessoas com a comida boa de verdade e com o intuito de construir um sistema alimentar mais inteligente e eficiente.

 

De acordo com a assessoria de imprensa da marca, uma das ações de guerrilha da foodtech já foi realizada, contando, inclusive, “com projeções realizadas pelo coletivo ‘Projetemos’ pela cidade de São Paulo, capital, e o engajamento de formadores de opinião, que levantaram placas em pontos de grande circulação de pessoas, como o ex-BBB João Pedrosa, o chef César Costa (Corrutela), a influenciadora digital Luísa Motta e também a professora de yoga Julianne Dias. Na ocasião, as placas continham frases como ‘Lugar de comida artificial é em loja de decoração e não no supermercado’ e questionamentos sobre quão acessíveis os orgânicos são para o público geral com a reflexão: ‘O orgânico é caro ou você anda comprando no mercado errado?’. As frases chamam atenção para alguns pontos críticos de um sistema de cadeia longa que onera o consumidor e aumenta o desperdício – cerca de 30% de toda comida produzida é desperdiçada, enquanto a Liv Up desperdiça apenas 2% dos alimentos que passam por sua cadeia. E a transparência da indústria que, por anos, priorizou alimentos pobres nutricionalmente para otimizar produtividade, o que é prejudicial para a saúde e bem-estar das pessoas. As frases também estiveram em placas de protesto levantadas por algumas personalidades, que se engajaram na causa, em diferentes pontos da cidade, reforçando que esse é um movimento de todos”, detalha.

 

Em entrevista à Rede Food Service, Pedro Martins, Head de Inovação e Sustentabilidade da Liv Up, reforçou que o movimento é um convite para que diferentes elos do setor de alimentos no Brasil passam a aderir a um modelo mais sustentável, com menos desperdício e mais impacto positivo no individual e no coletivo. “Para promover a mudança e criar um novo sistema mais eficiente e inteligente no setor de alimentação, é importante refletir sobre o que existe hoje, incentivar novos modelos, questionar o que já não funciona mais e abrir espaço para o novo. Temos inovado e disruptado a indústria de alimentação, comprovando que é possível fazer diferente e gerar valor para todos. A Liv Up acredita que é a partir de um propósito genuíno e de uma ação consistente que tem conquistado mais espaço no mercado brasileiro, mas que ainda há muito para fazer e espaço para todos os players, juntos, construam esse novo sistema”, avalia.

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Rabo de galo: o coquetel de boteco e balcão de padaria que já é o mais consumido do Brasil

Callebaut Ruby e Gold em embalagens de 400 gramas são lançados no Brasil