in

Gi Souza: a criadora de conteúdo culinário com mais de 1 milhão de inscritos no YouTube

Apresentadora do canal Receitas de Minuto revela como é trabalhar com gastronomia prática nos meios digitais

Gi Souza criou o canal em 2010 para ser um lugar onde as pessoas pudessem aprender a cozinhar - Foto: Divulgação

 

Mais de um milhão de inscritos no YouTube, com cerca de 80.624.667 de visualizações total, e 212,7 mil seguidores no Instagram. Esses são alguns números que ilustram a vida de chef digital de Gisele Souza, de 35 anos, a Gi Souza, criadora e apresentadora do canal Receitas de Minuto.

 

O canal surgiu por meio de uma experiência familiar de Souza há mais de uma década. “Pouco tempo depois de eu me mudar para São Paulo, capital, em 2010, meu irmão mais novo veio para a mesma cidade estudar e ele não sabia fazer nada na cozinha, nem fritar ovo ele sabia! E, para economizar dinheiro, eu tentava ensinar para ele e, foi nesse momento, que pensei que poderiam ter mais pessoas nessa situação de não saber como cozinhar e que precisava aprender para economizar dinheiro ou se alimentar melhor. Eu sempre tive blogs e todas as redes sociais do momento. Então, resolvi criar o blog com as receitas que eu aprendi e, como naquela época o YouTube estava começando no Brasil e tínhamos uma câmera, resolvemos gravar o processo para ficar ainda mais fácil para quem não tinha experiência na cozinha”, relembra.

 

Foto: Divulgação

 

Atualmente, a marca Receitas de Minuto é o sustento de Souza, assim como de seu marido e mais dois funcionários. Nós trabalhamos juntos e é o meu marido quem edita meus vídeos desde o início do canal. Sempre mantivemos tudo em família! Mas, hoje, claro, a equipe já cresceu. Assim, temos uma Gerente de Mídias Sociais e um Editor, que também nos auxilia e todos fazem parte da família e isso deixa as coisas mais fáceis e leves”, partilha.

 

Receita de Minuto: o que é?

 

Na própria definição de Souza, o canal no YouTube, perfil no Instagram e blog com o nome Receita de Minuto é uma marca que ela criou voltada ao ensino de como cozinhar para quem não faz a menor ideia do que seja gastronomia/culinária. Para isso, rotineiramente, ela faz uso desses canais virtuais para divulgar receitas tão práticas que, em grande maioria, podem ser preparadas em apenas um minuto, o que explica bem a sua nomenclatura. “Desde a sua criação, em 2010, eu sempre vi o meu canal como um lugar onde pessoas pudessem aprender a cozinhar. Por isso, sempre foquei em fazer as receitas da forma mais simples possível, com ingredientes acessíveis e vídeos curtos, porém, bem explicados. Assim, o foco sempre foi ensinar e fazer com que mais pessoas fossem para cozinha, pois acredito que, quando você aprende a cozinhar, é quando ganha liberdade de escolher o que vai comer”, ressalta a criadora de conteúdo.

 

Quem é Gi Souza?

 

Apesar de ter uma carreira digital já bem consolidada na área de gastronomia, Souza não se considera uma chef de cozinha, assim como uma chef digital, já que, segundo ela, não estudou para isso. Não me considero chef! Afinal, eu não tenho nenhuma experiência em gerenciar uma cozinha profissional e é isso que faz alguém ser chef de cozinha. Eu sou uma cozinheira doméstica e, na frente das câmeras, encarno a professora de culinária que habita dentro de mim. Eu sou uma produtora de conteúdo na área da culinária e uso as plataformas digitais para levar ensinamento para as pessoas. Eu, hoje, me considero uma culinarista e apresentadora. Eu sou uma cozinheira simples, gosto de sabores fortes e marcantes e, por isso, me inspiro muito na culinária mexicana e asiática. Gosto de contraste de sabores que mudam aquele prato comum do dia a dia em algo especial”, se autodefine.

 

Foto: Reprodução @receitasdeminuto

 

Também sobre a sua vida profissional bastante diferenciada, Souza divide que a sua carreira “não tem relação nenhuma com a cozinha (risos), já que eu só fiz o Ensino Médio e nunca cursei uma faculdade. Mas, eu sempre gostei muito de aprender coisas novas e estar no meio criativo. Por isso, boa parte da minha vida, eu trabalhei como Designer Gráfico em imobiliárias de alto padrão, pois era o trabalho que pagava minhas contas, mas não me dava paixão. Quando eu comecei o Receitas de Minuto, me encontrei e, aí sim, fui buscar cursos de cozinha e workshops e, com o processo de gravar vídeos e fazer fotos das comidas para as redes sociais, acabei amando uma outra vertente da culinária, que é o Food Style e, assim, fui em busca de me aprimorar nessa área com cursos especializados”, detalha.

 

Herança que gerou frutos

 

Mesmo não se considerando uma real chef de cozinha, Souza revela que possui uma herança na área de gastronomia que a ajudou a criar bons frutos. Isso porque, segundo ela, “desde criança, eu vejo minha mãe ganhando a vida com suas habilidades na cozinha. Ela sempre foi salgadeira e vendia suas coxinhas para bares e mercados e também já foi professora de culinária na área de aproveitamento de alimentos. Então, eu sempre tive esse contato, mas nunca achei que poderia ser minha profissão, pois, apesar de ajudar minha mãe nas produções, eu encarava como uma ajuda e ela mesmo professora nunca parou para me ensinar como ensinava os seus alunos. Entretanto, quando me mudei para São Paulo, eu senti a necessidade de aprender para sobreviver mesmo e foi aí que percebi como eu amava inventar novas receitas e entender como elas funcionavam”, relata.

 

Vida de chef digital

 

O talento, experiência e influência de Souza no universo da culinária digital é inegável, o que pode ser justificado pelo seu dia a dia, em que ela frisa que “trabalhar com conteúdo não é só fazer um post em uma rede social. Existe planejamento, pesquisas e todo um trabalho por trás. Então, valorizem mais quem cria conteúdo original e quem, realmente, se importa com a qualidade do trabalho, pois tudo isso são horas por de trás das câmeras que ninguém vê. E isso faz com que nossa mente entre em exaustão muitas vezes, já que sempre tem a cobrança de fazer melhor que o post anterior sempre”, desabafa.

 

Foto: Divulgação

 

Para Souza, o que mais caracteriza a sua atual rotina “é a forma rápida e simples que passo minhas receitas, pois eu tento descomplicar coisas mais complexas, como fazer uma feijoada, por exemplo, que pode parecer difícil para quem nunca fez, mas mostro que dá sim para fazer de forma mais rápida e simples”, enfatiza.

 

Ganhos de vida de chef digital

 

Em relação aos ganhos de sua vida de chef digital, a criadora de conteúdo não divulga valores, mas relata que, “no início do canal, em 2010, como ainda existiam poucos canais de culinária, era mais fácil, pois as publicidades relacionadas à alimentação eram direcionadas às pessoas que produziam conteúdo de culinária. Mas, hoje, não é mais assim! A publicidade vai para todos os criadores de conteúdo e até mesmo quem não cozinha acaba fazendo as famosas ‘publis’ e isso faz com que nosso trabalho fique, por muitas vezes, esquecido e, com isso, temos sempre que achar novas formas de nos manter relevantes e interessantes para a audiência e para o mercado publicitário”, explica.

 

Foto: Divulgação

 

Ainda sobre o lado financeiro em ser uma profissional digital, Souza confessa que “nunca almejei estar na Internet e ganhar dinheiro com isso. Eu sempre gostei de criar e é isso que me deixa feliz. Fazer algo que me estimula criativamente e ainda poder fazer disso minha profissão é algo incrível”, garante.

 

Foto: Divulgação

 

Já quando questionada sobre qual canal online gera mais renda, ela orienta que, ao contrário do que muita gente pensa, “não existe uma mídia mais rentável. Existe um conjunto de todo um trabalho. O Receitas de Minuto sempre esteve presente em todas as mídias digitais e, com isso, afeta várias pessoas diferentes. A minha audiência do YouTube, por exemplo, não é a mesma do Instagram ou a mesma do blog e, por isso, sempre pensamos em conteúdo para cada mídia e, assim, conseguimos alcançar todos os públicos que nos seguem e fazer um trabalho completo em todos os lugares”, pontua.

 

Atuais desafios e metas

 

Sincera, Souza reafirma que nem tudo são flores em sua vida de chef digital, como pode parecer quando só olhamos para o seu número de inscritos em seu canal no YouTube e/ou seguidores no Instagram. “No cenário que vivemos hoje com a pandemia de Covid-19, o meu maior desafio tem sido achar um equilíbrio entre o que eu gostaria de ensinar e o que as pessoas, realmente, podem fazer em casa, pois eu não quero que as pessoas apenas vejam o canal como entretenimento. Quero que elas tentem as receitas e estar na Internet faz você alcançar todos os tipos de pessoas. Então, eu luto para encontrar esse equilíbrio e ensinar o que gostaria, mas também o que é acessível a todos. Agora, sobre as minhas metas, elas são simples. Eu gostaria de ter um estúdio em que possa dar workshops e também me aprimorar ainda mais no Food Style, que é uma grande paixão, mas me sobra pouco tempo para estudar mais”, lamenta.

 

Foto: Divulgação

 

Souza considera também que, quando ela começou a ensinar receitas na Internet, em 2010, “tudo era muito mais leve e existiam poucos canais. Mas, mesmo assim, eu sempre me coloquei à disposição de ajudar minha audiência nas dúvidas. Hoje, temos uma infinidade de pessoas ensinado suas receitas na Internet e sem a devida responsabilidade com audiência.  Acho que, quando nos colocamos neste lugar de ensinar, temos que ter a responsabilidade de também estar ali para tirar as dúvidas e ajudar as pessoas para que não gastem ingredientes atoa”, indica.

 

Mercado promissor

 

Para Souza, cada dia mais, gastronomia e mídias sociais estarão mais próximas. Assim, para ela, atualmente, a profissão de chef digital faz parte de um mercado bastante promissor. “Acho que, cada vez mais, vamos ver chef renomados, como Alex Atala, por exemplo, com canais no YouTube e perfis no Instagram. E isso faz com que a culinária se torne mais acessível e pode acabar criando uma nova geração de cozinheiros jovens que vivem no mundo digital”, acredita.

 

Foto: Divulgação

 

A criadora de conteúdo complementa ainda que “o Brasil sempre foi um país com a cultura de se cozinhar em casa, pois crescemos com nossas mães, tias e avós fazendo o almoço e isso faz parte da nossa cultura. No entanto, eu vejo que, com as cargas de trabalho maiores, as pessoas mais jovens têm optado por alimentos mais processados ou vivem de delivery e, com isso, acabam perdendo o contato com essa parte da nossa cultura. Mas, ao mesmo tempo, programas de televisão com o MasterChef, da Band, acabaram criando uma nova geração de cozinheiros, que podem até não saberem fazer o básico, mas se aventuram em pratos mais charmosos, como um risoto ou massa fresca, para impressionarem os amigos e isso já ajuda com que a cozinha volte a ser um lugar confortável de se estar”, enfatiza.

 

Dica da chef digital

 

Por fim, com boa conteudista que é, Souza fez questão de deixar uma dica para quem sonha em seguir a carreira digital na área de gastronomia como ela. “Tenha responsabilidade com o que você coloca no ar! Não adianta simplesmente jogar uma receita e não estar lá para tirar as dúvidas da sua audiência. Saiba que as pessoas confiam em você e, se você não testou aquela receita, é melhor nem compartilhar! Só compartilhe o que você realmente tem certeza que funciona!”, aconselha.

 

Para conferir as receitas que Souza divulga no seu canal no YouTube, clique aqui!

 

Na Rede Food Service é assim! Semanalmente, desvendamos para você como é a real vida de chef em suas diferentes atuações, como a digital. Então, continue nos acompanhando!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Worc: conheça a plataforma de empregabilidade voltada exclusivamente para empresários e trabalhadores food service

Meta de ser carbono neutro em toda a cadeia de valor no Brasil até 2040 é anunciada pelo Grupo HEINEKEN