in

Duckbill: a rede de franquias com receita exclusiva de cookies que faturou cerca de R$ 20 milhões em um ano mesmo com a pandemia de Covid-19

Criada por profissional de Educação Física em 2015, marca conta com 100 unidades em operação e 90 para inaugurar, além de já somar venda de mais de 2 milhões de cookies

Rafael Kaminski, fundador e CEO da Duckbill - Foto: Divulgação

 

Farinha de trigo, açúcar, fermento, manteiga, essência de baunilha, ovo e chocolate em pó. Esses são os principais ingredientes para se fazer um cookie perfeito, certo? Não para Rafael Kaminski Naves, de 38 anos, natural de Franca, interior de São Paulo, o fundador e CEO da Duckbill, a rede de franquias com receita exclusiva de cookies que, apesar da crise social e econômica desencadeada pela atual pandemia de Covid-19, conseguiu faturar cerca de R$ 20 milhões só em 2020.

 

De acordo com o empresário, que é formado em Educação Física, mas sempre atuou como empreendedor, os principais ingredientes da sua receita exclusiva de cookies são paixão, café e inquietude. “A ideia da DuckbilL começou no segundo semestre de 2015, quando eu fiz um curso de barista e me apaixonei pelo ramo de café. Na época, eu fazia MBA em Marketing e Vendas e tinha uma matéria chamada Diferenciação de Mercado. Assim, eu comecei a organizar as minhas ideias e inspirações, como a viagem que eu tinha feito para Nova York, nos EUA, onde tive acesso a alguns modelos de negócios e fiquei me questionando sobre alguns fatores como, por exemplo, porque, no Brasil, ainda não tinha nenhuma cafeteria que ‘batia de frente’ com o mercado do Starbucks, que não é uma cafeteria tradicional, e que teria os cookies como carro chefe? Então, passei de sete a oito meses em casa testando tudo que é receita. Foram, ao todo, 42 do mundo todo até que acabei fazendo a minha receita, que é a que fez sucesso e temos ainda hoje. Enfim, posso dizer que a Duckbill surgiu da minha paixão por café e a inquietação na cozinha”, relata, com exclusividade, à reportagem da Rede Food Service.

 

A Rede Duckbill

 

Atualmente, a Rede Duckbill conta com 100 unidades em operação espalhadas por 24 estados brasileiros e 90 para inaugurar, além de já somar venda de mais de 2 milhões de cookies. “A Duckbill hoje é uma rede de cafeterias ou cookshop. A gente ainda não se autointitulou com exatidão. Mas, pode-se dizer que é uma cafeteria com o carro chefe sendo os cookies, que são também o diferencial da marca. Atualmente, somos a maior rede de cookshop do Brasil e estamos entre as três maiores redes de cafeteria do país, se não me engano. Eu, particularmente, a chamo de distribuidor de felicidade. Contamos com 200 lojas vendidas, sendo 100 em atividade. O total de funcionários, franshing e fábrica somam em torno de 45 e dos franqueados mais de 500 empregos. Hoje, a média de faturamento mensal bruto por unidade é de R$ 50 mil”, detalha Naves.

 

Foto: Divulgação

 

Estruturação

 

A primeira loja da rede Duckbill foi inaugurada no dia 9 de agosto de 2016, em Franca, cidade Natal de Naves. O empresário revela que o seu investimento inicial para estruturar o negócio foi de “em torno de R$ 200 mil. Mas, depois, vieram alguns investimentos de fábrica. Então, hoje, temos investimentos de mais de 1 milhão e 200 mil, mas, se for contar só a primeira loja, foi em torno de R$ 200 mil”, considera.

 

Foto: www.duckbillcookies.com.br

 

O processo de franchising da marca ocorreu em 2018, quando foi feita uma associação com o Grupo 10x, sendo que o ator e apresentador Marcio Garcia é um dos sócios investidores da Duckbill. “Hoje, eu possuo um sócio, que é o Davi Pinto, que faz uma grande diferença no franshing. Ele foi o meu professor de franquias e, no meio do caminho, a gente se tornou sócios e amigos. Ele é o Presidente do Grupo 10x juntamente com a sua esposa Rebeca, que tem grande experiência no ramo. Contamos também com a ajuda de nossos colaboradores e franqueados, que auxiliam na construção do negócio com ideias, novidades, dificuldades de cada região e que, assim, surgem novas ideias e isso acaba ajudando na construção e na estrutura do negócio”, avalia.

 

Cardápio e perfil de cliente

 

Apesar do grande sucesso da receita exclusiva de cookies criada por Naves, o atual cardápio da Duckbill é bastante variado. “O nosso cardápio é extenso. No começo, trabalhamos só com cookies, mas também tínhamos pão de queijo e algumas bebidas. Mas, hoje, as opções são muitas. Além da grande diversidade dos sabores dos cookies, trabalhamos com alguns tipos de salgados, linha de pizza Chicago, que é uma pizza diferente, e alguns sanduíches tostex, que vendem muito. Na linha de bebidas, temos cafés e cappuccinos, os moocas e os chás nas versões quentes. Já nas versões geladas oferecemos frappés de vários sabores, frozen, entre outras bebidas bem geladas e refrescantes”, cita o empresário.

 

Foto: Divulgação

 

Conforme Naves, os cookies mais vendidos são os de sabores ao leite com massa de baunilha, e o Cookie Dark, que contém chocolate meio amargo na massa black, que é 100% cacau. No entanto, os favoritos do empreendedor são o White Lemon, feito com massa de baunilha, chocolate branco e limão, e o Cookie Red Velvet, que é coberto com deliciosa camada de cream cheese.

 

Foto: Divulgação

 

Em relação ao perfil de cliente do negócio, Naves ressalta que “é bem variado. Embora haja uma predominância de pessoas bem mais jovens, adolescentes, a galera que a gente chama de altamente instagramável, vemos de tudo, desde a terceira idade, até pais com seus filhos pequenos. Estudantes universitários e colegial curtem o ambiente, executivos também, etc. Os nossos cookies agradam 99% dos consumidores. Muita gente, inclusive, volta só para consumi-los, pois são altamente viciantes. Então, acho que a marca em si é bem atrelada aos nossos cookies. Além de ser ligado à essa ideia de a ‘paradinha’ do dia para descansar, colocar as ideias em dia, sentir prazer saboreando algo gostoso e, depois, seguir com a correria/tarefas do dia. Enfim, conseguimos agradar diferentes perfis e faixas etárias”, garante.

 

Efeitos da pandemia de Covid-19

 

Mesmo conseguindo bons resultados em relação às vendas durante 2020, um ano totalmente atípico por causa do início da atual pandemia de Covid-19, Naves divide que sua marca também precisou passar por alguns ajustes alinhados aos efeitos da doença no mercado food service. “Atualmente, com a pandemia, a gente vem se reinventando diariamente. Primeiro, a gente tomou algumas medidas para se aproximar mais dos nossos franqueados e estreitar nossos laços com eles e colaboradores. Fora isso, aumentamos nossos investimentos em mídias digitais, demos uma reformulada no requisito entregas, delivery, embalagens para melhorar a qualidade das entregas. Fizemos também parceria exclusiva com o iFood para fortalecer e, neste ano, estamos lançando nosso aplicativo próprio, após entendermos que a gente precisa fomentar mais nossos relacionamentos com franqueado e franqueadora para chegar mais alinhado com nossos clientes e, então, passar essa curabilidade para eles”, esclarece.

 

Planos

 

O atual objetivo de Naves é, nos próximos cinco anos, chegar ao número de 500 unidades de franquias Duckbill. Entretanto, ele afirma que também almeja internacionalizar a marca. “Pretendemos iniciar a operação internacional das franquias Duckbill ao chegarem em aeroportos, etc. Planejamos começar pelo Mercosul. A pandemia de Covid-19 deu uma atrasada nos planos, mas não os mudou. Quero ver a marca consolidada nacional e internacionalmente, pois esse é meu maior sonho: ver a Duckbill se tornar referência no ramo de cookies e cafeterias”, espera.

 

Foto: Divulgação

 

Como se tornar um franqueado Duckbill?

 

Para se tornar um franqueado Duckbill, Naves orienta que há todo um processo a ser seguido, mas nada tão complicado. “O nosso processo de franquia se inicia por captação de leads pela Internet, onde as pessoas interessadas precisam preencher um cadastro em uma landing page. Todos os dados enviados são analisados para uma conferência de perfil considerado apto para administrar nosso modelo de negócio, pois não é só a questão financeira que levamos em consideração. Fazemos também uma análise psicológica para ver se a pessoa se encaixa no perfil de franqueado. É válido ressaltar que, hoje, o investimento inicial gira em torno de R$ 159 mil e vai até R$ 350 mil, dependendo do tamanho de loja, etc. Depois dessas etapas, temos uma equipe de expansão, que faz contato com esse interessado para analisar os pré-requisitos já citados e, então, a seleção é feita mais a fundo. E, assim, partimos para a assinatura de contrato, com a taxa de franquia. O contrato assinado é encaminhado para a nossa equipe de implantação, que acompanha o processo do franqueado na implantação da loja até a inauguração. Além disso, passada a inauguração, há o encaminhamento para a equipe de operação e comercial, que é a responsável por acompanhar o franqueado no dia a dia da loja”, elenca.

 

Mário Einsfeld, franqueado da Duckbill desde agosto de 2019 – Foto: Divulgação

 

Mário Einsfeld, de 27 anos, formado em Engenharia Mecânica, é franqueado da Duckbill desde agosto de 2019, sendo que sua loja foi inaugurada em maio do ano passado, em Lages, Santa Catarina. “Para mim, a Duckbill virou mais que uma empresa, virou um estilo de vida. Além de ser proprietário de uma unidade, tenho satisfação em dizer que sou da família do ornitorrinco, assim como os colaboradores que tenho na unidade. A Duckbill entrou em minha vida em um momento que gostaria de estar tendo meu próprio negócio e, após experimentar os produtos em uma outra unidade, tive a certeza de qual seria meu futuro, ser proprietário de uma cookieshop Duckbill. O meu investimento foi elevado, acima de R$ 500 mil. Porém, ao começar um negócio novo, sempre quis algo grande. E, com o tamanho da unidade com a proporção da cidade, realmente, é algo que chama a atenção. Hoje, além de ponto de referência, somos ponto de encontro, lugar para relaxar sozinho ou com mais pessoas, trabalhar ou simplesmente passar pela loja e retirar o seu produto ou, então, pedir pelo delivery e ter seu momento Duckbill em seu trabalho, casa ou andando pela rua. Diante dessas afirmações, posso dizer que estamos no caminho certo. Entretanto, estamos vivendo em um momento de pandemia onde tudo fica mais complicado e não é diferente nas contas da unidade. O lucro ainda não veio a contento do que gostaríamos, mas temos boas previsões após passar a pandemia”, afirma.


O segredo do sucesso

 

Por fim, Naves indica que o segredo para alcançar o sucesso no atual mercado food service é “ter persistência e muita coragem para encarar os desafios e desenvolver uma visão de mercado a curto, médio e longo prazo bem definida. Esse é um mercado totalmente desafiador, ainda mais neste momento de pandemia de Covid-19, o que torna tudo mais desafiador ainda. Então, é um momento de reinvenção diária. Todo dia, um desafio novo e que exige que a gente se questione e busque como se reinventar e reinventar o negócio, se adaptar e transformar. Por isso, para os ainda estão começando no mercado de alimentação fora do lar, aconselho, em primeiro lugar, fazer o que ama. Nesse segmento, é preciso ter paixão pelo que está fazendo e ter um produto de qualidade. Qualidade já não é mais um pré-requisito inicial, é uma obrigação de ter! E, em segundo, é necessário ter esse pensamento muito claro de onde está e onde quer chegar. Tenha sempre metas traçadas e claras e vá para cima com muita paixão e afinco”, recomenda.

 

Foto: Divulgação

 

Para saber mais sobre a DuckbilL, clique aqui!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

GRSA | Compass lança Campanha ‘Juntos contra o Desperdício’ com desafios para evitar o desperdício de alimentos

Santa Food: conheça a empresa que tem como missão democratizar o acesso a produtos orgânicos