in

Food service + Supermercados = melhor experiência de compra para os clientes e lucratividade para o varejo

Serviços de alimentação dentro dos supermercados vem promovendo maior praticidade e conveniência aos consumidores brasileiros, assim como boas oportunidades de crescimento das vendas do setor

Foto: Getty Images

 

De acordo com projeções do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), o volume de vendas no varejo deve ter alta de 10,34% no acumulado do primeiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano anterior. Atualmente, conforme último ranking divulgado pelo mesmo instituto, os maiores supermercados do país estão no topo da lista de empresas do varejo com o maior faturamento. Com isso, o setor supermercadista é o responsável por 15% das vendas totais do varejo brasileiro, sendo válido ressaltar também que, entre as cinco maiores corporações varejistas do Brasil, três são do ramo de supermercados e hipermercados: Carrefour, Grupo Pão de Açúcar e Grupo Big (ex-Walmart).

 

Já pesquisa realizada pela Mobills, startup de gestão de finanças pessoais, constatou que os gastos dos brasileiros com supermercado aumentaram 28% entre março de 2020, início da atual pandemia de Covid-19 no país, e dezembro. Conforme o estudo, feito por meio de análise dos dados de mais de 42 mil usuários do aplicativo em todos os meses do ano passado, as despesas registradas com alimentação no último mês do ano para essa base consultada foram de R$3.725.368,89, enquanto o ticket médio atingiu R$ 343,98.

 

Paralelo a esse cenário de expansão, cabe a pergunta: o que vem fazendo com o que o setor nacional supermercadista só cresça, mesmo com a atual crise social e econômica decorrente da pandemia?

 

A resposta parece fácil, uma vez que já é do conhecimento comum que, desde a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil e o fechamento do comércio por alguns períodos na tentativa de evitar o colapso nos hospitais, os supermercados passaram a ser os únicos lugares frequentados pela grande parte da população, não é mesmo? Porém, os profissionais à frente desse ramo acreditam que as vendas só foram mantidas e, principalmente, aceleradas devido a outro fator, que é a somatória da opção food service no portfólio dos supermercados. Soma essa que, a cada dia, vem promovendo maior praticidade e conveniência aos consumidores brasileiros, assim como boas oportunidades de crescimento das vendas para o setor. “Com a pandemia de Covid-19, a mudança no modo de consumo das pessoas passou a ocorrer em um ritmo ainda mais veloz. Por causa das medidas de distanciamento social adotadas no início de 2020, a população tem buscado cada vez mais refeições para consumo no lar, o que demonstra que esse é um mercado em crescimento. Aliado a isso, estão a praticidade e a comodidade oferecidas pelo food service. Durante o 13º Congresso Internacional de Food Service, organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA) em novembro de 2020, foi apresentado que o food service vinha crescendo, anualmente, dois dígitos nos últimos 10 anos, com crescimento média de 11% ao ano. Segundo a organização, a estimativa era que, no fechamento do ano de 2020, 25% do gasto do brasileiro com alimentação fosse destinado ao food service”, contextualiza Carlos Alberto Muniz, Diretor Nacional de Padaria e Cafeteria do Carrefour.

Muniz, Dir. Nac. de Padaria e Cafeteria do Carrefour – Foto: Divulgação

 

Para Débora Regina Colli Cosenza, Coordenadora de Segurança Alimentar da Coop, considerada a maior cooperativa de consumo da América Latina com mais de 895 mil cooperados ativos, cerca de 6 mil colaboradores diretos e 91 unidades de varejo divididas em 31 lojas de supermercados na capital paulista, Grande ABC e interior, a estratégia de unir o mercado food service ao supermercadista não só vem ajudando a alavancar e/ou manter as vendas durante a atual pandemia de Covid-19, mas abre também um novo leque de atuação e reinvenção. “Durante a pandemia, implantamos o sistema Grabe and Go, em que oferecemos, diariamente, de três a quatro opções de refeições prontas, no modelo de ‘marmitinhas’, permitindo o cliente escolher sua opção. Nas lojas com esse serviço, nos tornamos a opção de refeição local devido às restrições impostas pela pandemia”, revela.

 

Cosenza, Coord. de Seg. Alimentar da Coop – Foto: Divulgação

 

 

Hélio Freddi Filho, Diretor de Expansão & Comunicação da Rede Hirota, presente em São Paulo e Grande São Paulo com 16 lojas formato supermercado, 24 lojas express e 17 lojas em casa (de condomínio), complementa que “com a chegada da pandemia, muitas pessoas entraram em regime de home office e as crianças estão em casa. Com a família diariamente reunida, resultou em um aumento das vendas de alimentos para preparação. Ou seja, os brasileiros voltaram a fazer comida em casa. Porém, sentimos que essa fase já passou, pois muitos continuam em home office, mas querem facilitar a vida e já comprar a comida pronta”, pontua.

 

Filho, Dir. Exp. e Comunicação da Rede Hirota – Foto: Divulgação

 

Pioneiros sempre em evolução

 

No momento atual, mais de 100 lojas do Carrefour espalhadas pelo Brasil dispõem de cafeterias e rotisserias, seja em hipermercados, supermercados e/ou lojas de proximidade do grupo, que são chamadas de Carrefour Express. Porém, já há alguns anos, o grupo aposta na junção do food service com os supermercados, o que o torna pioneiro nessa estratégia, mas sempre em evolução, conforme garante Muniz. “O Carrefour carrega em seu DNA o pioneirismo e a inovação. Não é à toa que o primeiro hipermercado do Brasil foi fundado pelo Carrefour, há 45 anos. Especificamente sobre food service, há muitos anos, a rede trouxe para o país os carrinhos de ‘Hora do Lanche’, além das opções de frango assado com temperos e acompanhamentos exclusivos. Com a busca cada vez maior por praticidade e otimização de tempo pelos clientes, o Carrefour iniciou a implantação de cafeterias e rotisserias em suas unidades, que oferecem produtos de qualidade aliado à praticidade. Atualmente, o Carrefour possui 8 rotisserias e 117 cafeterias no Brasil em 100 lojas. Os estabelecimentos oferecem opções de lanches pratos e rápidos, preparados na hora ou prontos para consumo. Uma ação interessante recente que pode ser destacada, realizada no mês de dezembro de 2020, foi a venda de Kits Natal nas unidades da rede. Na ocasião, o Carrefour oferecia três opções de ceias de Natal: para 5, 3 ou 2 pessoas, inclusive com opção de cardápio vegetariano”, exemplifica.

 

Para o Diretor Nacional de Padaria e Cafeteria do Carrefour, “o aumento dos serviços de alimentação dentro dos supermercados e hipermercados se deve a intensificação da busca por conveniência, praticidade e segurança por parte do consumidor. Ao mesmo tempo, a existência desses serviços permite com que o cliente possa fazer sua compra com mais calma, já que existe a possibilidade de refeição no local. Por causa disso, atualmente, o food service é um grande instrumento de diferenciação entre as redes varejistas. Ao longo de seus 45 anos no Brasil, o Carrefour percebeu diversas mudanças no comportamento do consumidor, o que inclui a questão do food service. Acompanhando essa evolução, a rede busca oferecer a melhor experiência de compra para seus clientes, com oferta de serviços que se traduzam em conforto e conveniência, ao mesmo tempo em que aumenta as oportunidades de conexão e fidelização”, ressalta.

 

Foto: Divulgação

 

Em meio ao constante investimento no food service, o Carrefour também se destaca pelo fato de trabalhar seguindo às tendências de mercado, como a de saudabilidade. Tanto que, desde 2018, segue o Act for Food, que é um posicionamento institucional global do Grupo Carrefour por meio do qual busca tornar a alimentação saudável acessível a todos. “A iniciativa foi lançada em outubro de 2018 e reúne todas as ações e investimentos feitos nessa direção. Desde o lançamento, o Carrefour tem se empenhado em influenciar a mudança de hábitos nos consumidores, ampliando a oferta de produtos frescos e saudáveis em suas lojas, ao mesmo tempo em que respeita as regionalidades para que todos os clientes tenham a opção de adquirir alimentos de qualidade a preços justos. Além disso, o Carrefour busca, com isso, romper as barreiras da falta de informação e fomentar práticas mais sustentáveis de produção, em parceria com fornecedores. Uma abordagem, portanto, que vai do campo à mesa dos clientes”, explica Muniz.

 

Diferenciação de sucesso

 

Opções food service podem ser encontradas na Rede Hirota há mais de 20 anos, inclusive, tal posicionamento é considerado o grande diferencial da companhia. “Esse tipo de serviço foi o que diferenciou a rede dos demais grandes players do mercado. O Francisco Hirota, Presidente do Grupo, trouxe essa ideia após uma visita a grandes redes americanas. Esse é, realmente, o nosso diferencial. Temos uma cozinha central chamada Hirota Food, que desenvolve pratos e alimentos para os nossos supermercados, lojas express e lojas em condomínios. Além disso, temos cozinhas em cada supermercado que abastecem o Buffet Gourmet, que fica dentro de cada loja e que oferece alimentação de qualidade com preço justo”, partilha Filho.

 

Buffet Gourmet da rede Hirota – Foto: Divulgação

 

O Diretor de Expansão & Comunicação detalha ainda que “o nosso cliente encontra os pratos da linha Hirota Food em todas as lojas do grupo (supermercados, condomínios e express) e o Buffet Gourmet somente nos 16 supermercados da rede. É o nosso grande diferencial. Oferecer alimentação de excelente qualidade com preços acessíveis. É uma atração para o nosso cliente. Acompanhamos diariamente as vendas do segmento. Estamos 15% sobre o ano passado. Temos mais de 150 profissionais voltados para o segmento food service, trabalhando na Cozinha Central ou no Buffet Gourmet. São nutricionistas e chefes de cozinha que pensam o tempo todo como oferecer solução em alimentação para os nossos clientes”, afirma.

 

Adaptabilidade que inspira

 

Na Coop, a fomentação do investimento em ofertar possibilidades food service aos clientes vem fazendo parte do processo de adaptação da companhia em relação ao novo consumidor brasileiro nos atuais tempos de pandemia e às regras sanitárias contra o Covid-19. Prova disso é a implantação do sistema Grabe and Go já citado por Cosenza. “Inauguramos a primeira cafeteria em setembro de 2017, com o intuito de oferecer um serviço diferenciado aos nossos clientes e trazer a conveniência para a experiência de compra do mesmo. Atualmente, temos cinco lojas da rede com opções food service e, no início de fevereiro, inauguraremos uma cafeteria dentro de uma das nossas lojas em São José dos Campos e também a primeira cafeteria dentro de uma de nossas drogarias de rua, além das marmitinhas do sistema Grabe and Go”, conta a Coordenadora de Segurança Alimentar da rede.

 

Foto: Divulgação

 

Cosenza partilha também que, em decorrência do aumento dos números de casos de Covid-19 neste começo de ano, “a modalidade restaurante self-service está suspensa, mas a rotisseria com venda por quilo e as marmitinhas prontas para consumo continuam. Ofertar opções food service ainda é uma tendência, pois é um nicho a ser explorado pelos supermercados, mas, em alguns anos, fará parte do escopo de qualquer loja de super. Até porque vantagens são inúmeras, como a de oferecer serviço e conveniência, inclusive, atendendo aos atributos da Coop, que são conveniência, convivência e consciência”, finaliza.

 

Tecnologia como parceiro indispensável

 

Para Mario Menezes, especialista em varejo da RATIONAL Brasil, empresa especializada em  tecnologia na área de preparação de alimentos quentes para cozinhas profissionais, existe uma tendência de crescimento na busca por serviços de alimentação dentro dos supermercados “O tempo gasto no supermercado para uma refeição é de cerca de 20 minutos. Tempo suficiente para os consumidores deixarem seus olhos vagarem e explorar o que mais está sendo oferecido. E então o consumidor muitas vezes repara em algum outro item, e acaba por fazer uma compra adicional. Além disso, um conceito de ‘gastroconveniência’ atrai novos clientes ao supermercado, fideliza e oferece margens adicionais”, indica o especialista.

 

Menezes, especialista em varejo da RATIONAL Brasil – Foto: Divulgação

 

No entanto, Menezes alerta que, para ser lucrativo, é preciso que o conceito e sua implementação sejam corretos. “Você deve ter em mente que um supermercado não é um restaurante. Portanto, deve-se levar em consideração que há relativamente pouco espaço para preparar os alimentos, porque cada metro quadrado é dinheiro. Muitas vezes também há falta de trabalhadores qualificados. O escopo e a qualidade da ‘gastroconveniência’ não dependem do tamanho do supermercado ou do nível de treinamento da equipe, mas dos equipamentos. É por isso que você vê soluções inteligentes, como os fornos combinados que produzimos, que trabalham com calor por contato, cada vez com mais frequência.” destaca.

 

iVario da Rational -Tecnologia patenteada que permite aquecimento rápido com maior uniformidade e precisão – Foto: Divulgação

 

Ainda de acordo com Menezes, “o sucesso da ‘gastroconveniência’ também depende da localização da oferta de foodservice dentro da loja. Via de regra, é feita uma distinção entre ‘Fora’, na zona de pré-checkout; ‘Ao lado’, a transição entre a zona de pré-pagamento e o supermercado; e ‘Dentro’, no meio do supermercado. Cada local tem suas vantagens e desvantagens. É importante ter clareza sobre os objetivos que você quer perseguir com antecedência”.

 

O especialista detalha: “Se houver muitos escritórios na área, opções para o almoço em porções pré-embaladas são uma aposta de sucesso. E o consumidor ainda pode levar outros itens como salgados, pães frescos e sobremesas, que por outro lado, cabem bem na área de pré-checkout. Você precisa de equipamentos que preparem os alimentos com o maior aproveitamento e praticidade possíveis”, diz Menezes.

 

Equipamento iCombi Pro da Rational – Foto: Divulgação

 

Para Menezes, as vantagens em utilizar os equipamentos adequados são óbvias: “o iCombi Pro, por exemplo, só precisa de cerca de 1 m2 – sobrando mais espaço para a área de vendas. E peixes, carnes, vegetais, acompanhamentos e assados ​​podem ser sempre preparados com qualidade consistente, economizando equipamentos adicionais e permitindo a produção de uma variedade de alimentos durante todo o dia. Pãezinhos frescos pela manhã, uma grande seleção de pratos quentes na hora do almoço, doces à tarde e frangos assados à qualquer hora – não há limites para a variedade de itens. Ao mesmo tempo, o iCombi Pro é tão fácil de operar que mesmo funcionários sem treinamento específico podem manuseá-lo com rapidez e segurança”.

 

Menezes destaca que alguns dos clientes da Rational Brasil, utilizando equipamentos e soluções da empresa, acabaram criando marcas próprias de conveniência com fonte de renda totalmente adicional para o negócio, “com equipamentos adequados, os custos com mão de obra e auxiliares são extremamente baixos. O consumo de água e eletricidade é significativamente menor se comparado com equipamentos de cocção tradicionais e os custos de manutenção se tornam transparentes e calculáveis”, garante.

 

E você? O que acha da união do food service ao mercado supermercadista? Uma tendência a ser seguida? Uma nova moda devido à pandemia? Ou uma chance de inovar e atender melhor? Independente da sua resposta, nós da Rede Food Service queremos é te informar e orientar sobre as novas práticas e oportunidades do ramo de alimentação fora do lar. Então, continue nos acompanhando!

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Estado de SP lança plano de apoio econômico a setores mais afetados na pandemia

Leonardo Lima: o curador da Editoria Sustenfood da Rede Food Service