in

Escola Laurent Suaudeau é o caminho para cozinheiros e profissionais do ramo food service que buscam aperfeiçoamento

Fundada por Laurent Suaudeau, o mais renomado chef de cozinha francesa atuante hoje no Brasil, instituição oferece cursos com sistema flexível de módulos

Chef Laurent, história de sucesso na gastronomia iniciada aos 13 anos de idade (Foto: Divulgação)

 

Melhorar a Gastronomia do Brasil e aperfeiçoar cozinheiros e profissionais do ramo food service. Esse é o lema da Escola Laurent Suaudeau, criada em São Paulo, capital, no ano de 2000, por Laurent Suaudeau: o mais renomado chef de cozinha francesa atuante hoje em dia no Brasil.

 

Voltada para pessoas que trabalham como chefs de cozinha, gerentes de alimentos e bebidas, donos de restaurante, hoteleiros e que demais profissionais que desejam melhorar seu trabalho e/ou produto de uma forma geral, a instituição de ensino oferta cursos que possuem um sistema flexível de módulos com o objetivo de facilitar a participação desse público que, normalmente, não tem condições de se afastar do trabalho por um longo período de tempo devido à correria do dia a dia.

 

O Chef em atuação na Escola Laurent Suaudeau em SP (Foto: Divulgação)

 

Normalmente, os cursos da Escola Laurent Suaudeau duram cinco dias e envolvem invariavelmente uma explicação teórica e uma aplicação prática. Tudo bem ‘mão na massa’, já que, para Laurent, “não existe ensinar a cozinha sem cozinhar para valer”, afirma. Por isso, boa parte das aulas na instituição, especialmente as de temas que envolvem a cozinha, é ministrada pessoalmente pelo chef, sempre com a ajuda de uma “pequena e afiada equipe”, garante. Além disso, em alguns módulos, alguns especialistas renomados são convidados por ele para comandar as formações.

 

Em mais de uma década de funcionamento, mais de 5 mil alunos já passaram pela Escola Laurent Suaudeau, que tem como complemento o Espaço Cultural Laurent, destinado a eventos e jantares sociais ou corporativos para pequenos grupos.

 

Quem é o chef Laurent?

 

Aos 63 anos de idade e 45 de profissão, o chef Laurent é natural de Cholet, na França, e se define como “uma pessoa abordável, amigo dos poucos que eu tenho, sincero, direto, que tenta ser justo e corresponder no meu trabalho o que se espera de mim. Também sou aquele que não engole fácil a arrogância e crítica de quem tem a caneta na mão e de gente sem educação. Já o chef Laurente é rigoroso, exigente comigo mesmo e meus colaboradores, mas comprometido com o meu métier”, partilha.

 

(Foto: Divulgação)

 

Laurente é dono de um currículo invejável, tendo iniciado seu contato com a Gastronomia muito cedo. “Comecei com 13 anos, quando fazia batatas fritas e frango assado na quitanda da minha tia avó. Depois disso, a partir de 15 anos, eu já tive a oportunidade de trabalhar com grandes chefs”, conta.

 

O chef possui formação técnica de dois anos em escola localizada em Guérande, uma cidade medieval localizada no departamento de Loire-Atlantique, na Bretanha, no Oeste da França. Curso o qual lhe abriu portas para a oportunidade de trabalhar em vários restaurantes antes de tornar-se também um grande empresário, professor e consultor, além de chef, como resume seu atual trabalho. “Já fiz parte de tantos restaurantes. Relembro, aqui, alguns que me marcaram, como   Restaurante Belvédère, na minha cidade natal em Cholet, com o chef Yvon Garnier; Restaurante Le Lucullus, em Batz Sur Mer, com Jean Guérin; Restaurante Les Prés et Les Sources, em Eugenie Les Bains, com Michel Guérard; Restaurante Le Chapon Fin, em Bordeaux, com Jean Ramet; e Restaurante Paul Bocuse, em Collonges au Mont D’Or, com Paul Bocuse e Roger Jaloux”, relembra.

 

Maiores e melhores trabalhos de Laurent

 

Para o chef, os seus maiores e melhores trabalhos foram  quando ele “foi chef do Restaurante Saint Honoré, do Hotel Méridien, em 1980, com apenas 23 anos e reconhecido como o melhor restaurante de rede Méridien do mundo e melhor restaurante do Brasil, além de mais jovem chef de cozinha do mundo na época. Depois, quando o restaurante Laurent, em São Paulo, foi aberto em 2005, tendo ganhado sete prêmios dos dez na época. Também cito, claro, a criação do Instituto Laurent para a formação de jovens de baixa renda em parceria com Nestlé Professional”, lista.

 

Chef Laurent (Foto: Divulgação)

 

Laurent divide também que, em meio à uma carreira tão produtiva e cheia de momentos únicos, algumas situações lhe marcaram para toda a vida. “Em primeiro lugar, ver o príncipe Charles entrando de surpresa na cozinha enquanto eu estava agachado e ele bater nas minhas costas. Assim como, servir, em Brasília, a convite do Governo Brasileiro, o presidente Chirac em visita ao Brasil e a Família Imperial do Brasil em uma fazenda de Vassouras. Também me marcou quando o Paul Bocuse falou comigo na cozinha do Saint Honoré Paul Bocuse, no Rio de Janeiro, que eu assumiria a chefia do restaurante com apenas 23 anos e que eu o defenderia perante à direção do hotel e da cadeia Méridien”, ressalta.

 

Laurent também foi quem fundou a Associação Brasileira da Alta Gastronomia (ABAGA), tendo a presidido por quatro anos e feito, assim, o Brasil passar a integrar a EuroToques, organização rigorosa em relação a alimentos que, até então, tinha como associados somente o Japão, Estados Unidos e alguns países europeus.

 

O chef ainda foi presidente do Comitê Consultivo do Programa de Formação de Cozinheiros da Instituição SENAC, em um convênio com o The CulinaryInstituteofAmerica – Cia, de Nova York, por treze anos (1992 a 2005). E, em 1995, ele lançou o livro “O Sabor das Estações” – 1ª edição e, em 1997, a 2ª edição.

 

Também em 1997, Laurent foi condecorado pelo Governo Francês como Chevalier de L’Ordre Du Mérite Agricole. A medalha foi entregue pelo Cônsul Jean Levi, que mencionou, entre os méritos da missão de Laurent no Brasil, a difusão da cultura gastronômica francesa, o trabalho de verdadeiro artesão na criação de seus menus e a contribuição para elevar o nível da culinária no país. Alguns anos depois, em 2006, o governo francês o elevou a Oficial da mesma ordem. A medalha lhe foi entregue pelo Cônsul Jean Marc Gravier, concedendo ao chef os mesmos méritos citados acima. Porém, a lista de premiações e vários outros reconhecimentos dados a Laurent durante a sua brilhante carreira não para por aí e pode ser consultada na íntegra, clicando aqui. Te garantimos que vale a pena a consulta!

 

Dicas de ouro

 

Se você ficou inspirado com a história e atuação mão na massa do chef Laurent, temos uma ótima notícia! Pois, com exclusividade à Rede Food Service, ele fez questão de dar dicas para você leitor que pretende começar e/ou se aperfeiçoar na carreira de chef de cozinha. “O segredo para alcançar sucesso no atual mercado food service é trabalho e construção de credibilidade, com aquisição de competência via um belo aprendizado com quem sabe trabalhar e sempre respeitar as suas equipes. É preciso ficar atento à direção do mercado. Na carreira de chef, trabalha-se e muito. Então, não fique só pensando que cursar uma faculdade e/ou universidade sem praticar o que aprendeu durante os estudos vai resolver a sua vida para se tornar um belo cozinheiro. É preciso ralar mesmo, sentindo o sofrimento na pele”, aconselha.

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Especialistas acreditam que Pix deve revolucionar o mercado de alimentação fora do lar

Setor brasileiro de balas e gomas cresce mesmo em meio à pandemia