in

Setor de Food Service se reinventa e vê no delivery oportunidade para manter-se durante pandemia

Com o momento atual o setor de Food Service está tendo que se reinventar e buscar formas de levar seus produtos até os clientes de um jeito seguro e encontraram no delivery uma maneira de conseguir fazer isso.

A Cinemark é um exemplo desses, com os cinemas fechados para evitar aglomerações, precisaram criar formas de manter seu capital girando. Em parceria com o iFood, a Rede Cinemark vai entregar na casa dos clientes pipocas e outros produtos da bomboniere, como coberturas e refrigerantes. O serviço já está funcionando em São Paulo e querem ampliar para outras regiões.

“Essa ideia surgiu a partir do nosso desejo de nos aproximar de nossos clientes para além dos complexos e do interesse em ampliar nossa atuação no varejo. Nós já vendíamos nossas pipocas prontas e para micro-ondas em alguns supermercados e lojas de conveniência do país. Recentemente começamos a comercializá-las em todo o Brasil através de grandes portais de e-commerce como Magalu, Americanas.com, Submarino e Shoptime. E agora começamos essa parceria com o iFood para comercializar produtos da nossa bomboniere”, explica Bruno Oliveira, Diretor de Alimentos e Bebidas da Cinemark.

Os pedidos podem ser feitos pelo aplicativo do iFood que redireciona para uma página da Cinemark onde o cliente pode ver o cardápio completo. “Os pedidos estão sendo preparados em um Popcorn Truck instalado nas dependências do Mooca Plaza Shopping, dedicado exclusivamente às solicitações realizadas para delivery num raio de abrangência inicial de 7km. Os bairros cobertos são: Jardins, Bela Vista, Cerqueira César, República, Bexiga, Sé, Paraíso, Vila Mariana, Saúde, Planalto Paulista, Vila Clementino, Conceição, Liberdade, Canindé, Pari, Tatuapé, Brás, Água Rasa, Mooca, Vila Prudente, Ipiranga, Sacomã, Cambuci e Belenzinho”, conta o Diretor.

 

Na onda do Delivery

Nem todos os restaurantes atendiam por entrega, mas agora essa é uma das únicas opções para manter o negócio ativo. Pensando nisso, o Fat Cow – lanchonete/hamburgueria, teve que se adaptar ao novo formato.

O dono do local, o empresário Fábio Moon em parceria com o chef Luiz Filipe, do Evvai – aderiram ao sistema de delivery e já estão funcionando via iFood. De acordo com a assessoria de imprensa do Fat Cow, praticamente todo o cardápio que era oferecido in loco estará disponível para entrega.

“Como já estávamos nos programando para o delivery, não foi tão difícil implementar. Nossa comida é muito própria para isso. Estamos fazendo algumas adaptações para que a comida viaje melhor, como frituras e cortes nos sanduíches”, comenta o empresário Fábio Moon.

 

Além disso, Fábio ressalta que tem sido uma boa experiência e que está crescendo. “Mas, ainda não é suficiente pra pagar as contas, devido ao fechamento da casa. Imagino que seja assim com todos”, lamenta.

Outro restaurante que não fazia entregas, mas se adaptou ao formato foi o BGB Bar. O sócio do local, Antonio Assumpcao, conta que a ideia de começar a entregar os pedidos já vem desde o ano passado, mas tiveram que adiantar os planos. Como o restaurante fica dentro do shopping Cidade Jardim, em São Paulo, e o local está de portas fechadas, nem podendo entregar para os clientes no balcão, o que antes era apenas algo a se pensar para aumentar o faturamento se tornou a solução para salvar o negócio.

“Adaptar a cozinha do restaurante que estávamos acostumados a operar para o delivery não é tão simples como muita gente pode achar. Alguns detalhes fazem muita diferença e tem papéis fundamentais para chegarmos na qualidade ideal que planejamos para nossas entregas”, explica Antonio Assumpcao,

Ele também enfatiza a importância da colaboração de um de seus parceiros neste momento, “a Relp! está nos mostrando o caminho das pedras para atingirmos nossos objetivos. Eles estão tirando minhas dúvidas e levantando questões importantes sobre a evolução desse novo negócio. Está sendo fundamental a participação deles no planejamento e direcionamento do nosso delivery, uma vez que é mais complexo do que muitos podem imaginar”.

Para Antonio Assumpcao o consumo de restaurantes não será mais o mesmo após essa pandemia. O sócio do BGB Bar acredita que as pessoas vão cada vez mais preferir pedir no delivery e comer em casa ao invés de sair e ir até o local, “o padrão de consumo de restaurantes vai mudar bastante”, completa.

As entregas do restaurante estão sendo feitas pelo aplicativo Rappi e no momento só estão entregando nas regiões do Itaim Bibi, Vila Olímpia, Pinheiros e Jardins.


Apoio técnico da indústria

Vendo esse cenário de mudanças e adaptações, a Unilever Food Solution, divisão da Unilever do segmento de food service, viu o quanto os empresários estão precisando de ajuda e apoio neste momento. Por isso, a empresa está com conteúdo educativo gratuito, que irá direcioná-los e apresentar novas alternativas para caminhar pela crise, além de mobilizar e envolver associações do setor, como a ANR (Associação Nacional de Restaurantes).

A multinacional desenvolveu uma cartilha pensada pelo departamento de marketing da unidade de negócios, em parceria com consultorias do setor, que ensina os passos iniciais que os estabelecimentos devem seguir para lidar com a covid-19.

Além disso, a UFS também produzirá uma série de podcasts com entrevistas de especialistas, que podem contribuir com ideias e alternativas para passar pelo período com menor dano possível. Para discutir o tema e soluções a unidade de negócios ainda criará um grupo no Facebook que funcionará como um fórum de discussão sobre temas que serão sugeridos diariamente para os operadores do food service. Para mais informações acesse:  https://www.unileverfoodsolutions.com.br/conte-com-a-gente/enfrentando-a-covid19-juntos.html

Escrito por #molongui-disabled-link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Drinks: O bar foi parar em casa

Mesmo em meio ao cenário de Covid-19, setor de Food Service tem vagas abertas